Terça-feira, 22.09.09
Às vezes as pessoas me acham exagerada, por dizer tanto dos psicopatas. Mais o que aconteceu domingo em Rondonópolis, não pode deixar duvidas.
O monstro já havia sido denunciado outras vezes por outras mulheres, que era uma pessoa violenta. Um espancador. A vitima o havia denunciado na terça feira anterior ao crime, que ele estava armado e ameaçava matá-la e matar toda a sua família. E mesmo assim nada foi feito em nenhuma das vezes. Por quê? A policia agora esta acreditando na “bondade interior do ser humano?” Ou pior não levam a serio quando uma mulher faz uma denuncia? Em qualquer dos casos é terrível.
Você sai para almoçar no domingo com sua família e um monstro entra no restaurante e te mata, mata sua mãe e seu padrasto? Como pode? Para que existe as denuncias? Como explicar que Crisa Renata, na terça feira, fez um boletim de ocorrência na delegacia, pedindo suas medidas protetivas, direito seu previsto na lei Maria da Penha, avisando que seu ex marido estava armado, que havia ido até seu trabalho ameaçá-la, e ameaçar sua família, é que nada foi feito. No domingo, ela foi assassinada por essa mesma arma.
Não são nossas leis que são brandas, são as pessoas que tem o dever de colocar essas leis para funcionar que estão brandos lentos. Será machismo? Ou descaso mesmo?
Não adianta ser bonzinho com psicopatas. Ele não tem emoções, não tem sentimentos, não conseguem sentir empatia pelo outro. Agem friamente. Esse monstro depois de tudo, ainda ligou para a família das vitimas e disse que ia se suicidar. Bem típico de qualquer psicopata, ele age, e depois se pavoneia do que fez. (E com se nos dissesse: Você viu o quanto eu sou o bonzão?) Que bom se fosse verdade. Mais não é. Só quem já sofreu abusos e agressão sabe do que estou falando, eles se preservam. Cuidam-se, são egocêntricos. Acreditam verdadeiramente, que só eles importam nada mais.
Sua imagem é de grande importância, mas a do outro não vale nada.
Meu ex marido faz tudo para preservar sua imagem, até hoje. O desespero dele é que seus podres venham à tona. Sempre foi essa a única preocupação dele. Agora então com a morte do meu filho. Ele está perto de dar um ataque, porque tem medo do julgamento do que vão pensar?
Na verdade todo psicopata é covarde, tem medo do julgamento, e carrega uma culpa horrível dentro de si. Porque ele sabe que o que faz é errado, mas isso não o faz parar, já que não consegue sentir onde é o limite.
Meu ex-marido, diz para os nossos filhos que a doença não existe, mas ele tem um excelente plano de saúde, (só para ele claro), vive fazendo exames, e se cuidando. Todos têm que viver uma vida de privação e sofrimento, se possível sem por nem a cara na rua, mas ele vai altas viagens (sozinho é obvio) com seus amigos, mais ninguém da família, ninguém que o conheça de verdade, isso iria denegrir sua maravilhosa imagem nas rodas onde freqüenta, “Com pessoas de bem”.
Monstros são pessoas que não se importam com o quanto esta fazendo o outro sofrer, desde que ele esteja bem. Monstros não se preocupam se o filho tem o que comer o que vestir, ou se esta medicado, ou estudando. O que importa ao monstro, é que se ele achar por bem sair com filho, mostrá-lo na sociedade, a criança o trate como se fosse o mais adorado e extremoso pai. E pobre da pessoa que ousar contrariar um monstro. Todos que convivem com ele tem a exata noção do que lhes pode acontecer. (Infelizmente é assim que funciona.). Monstro não se preocupa, em caluniar, em levar isso até as ultimas conseqüências, se isso for o melhorar para a auto-imagem dele.
Outro dia encontrei uma pessoa, e ela me perguntou quando eu tinha saído do hospital? Fiquei confusa, e ela me explicou que o meu ex-marido, havia dito a ela que eu estava internada em um hospital psiquiátrico em Goiânia. Não eu nunca estive internada em um hospital psiquiátrico, por mais que ele assim desejasse. O que aconteceu, é que estava ficando muito mal para ele, todo ano trocar de “esposa,” todas fugiram, ou morreu, nenhuma foi abandonada, todas abandonaram, porque ninguém agüenta ser espanca e humilhada muito tempo, e ai ele foi manipulando meus filhos e os trazendo para cá, porque assim ele ficaria com uma imagem melhor perante a sociedade.
É assim que age um agressor. É por isso que eles têm que ser detidos, no primeiro sinal de agressão. Eu não tive forças para fazer isso e chegou aonde chegou.
Crisa Renata fez o que pode, e está morta.
Ela perdeu a vida, eu perdi o meu filho.
Não tem como passar por isso e não sair perdendo.
E por isso que temos que denunciar antes. Temos obrigação como cidadãos de levar a publico, atos e pessoas que sabemos que são capazes de qualquer tipo de violência.
Violência não é só espancamento e assassinato não. Violência é qualquer ato que nos fere, física, psicologicamente, emocionalmente, que nos fere como seres humanos, nos choca.
Quando pedimos para dirigentes de igrejas, escolas, e cursos observarem as pessoas que estão sendo colocada a frente de nossos jovens, é porque estou convicta que só com o exemplo firme da não violência vamos dar fim a ela.
Quando aceitamos lideres de nossos jovens, formadores de opinião, que são manipuladores, mau caráter, mascarados, que levam uma vida dupla, e alguns são até estelionatários, estamos dizendo a nossos jovens que aceitamos que eles sejam da mesma forma. E ai está criando o ambiente propício para que outros monstros continuem em nosso meio.
Segundo psiquiatras e psicólogos, o psicopata, já nasce assim, não existe tratamento para ele, já que ele não dispõe de emoção. Mas não podemos tratar, mas podemos coibir.
Como denunciando. E a única forma possível.
E essa é nossa obrigação como cidadão denunciar.
Termino com a frase da minha amiga Ana Maria C. Bruni: "O silencio é o trovão dos omissos”
Que a luz e a paz esteja com cada um de nós
Fátima Jacinto
Uma Mulher.


publicado por araretamaumamulher às 12:41 | link do post | comentar | favorito

Domingo, 20.09.09
“O SILIENCIO É O TROVÃO DOS OMISSOS”


Sim está é uma grande verdade. E o pecado que não quero mais cometer é o da omissão.
Assim sendo não vou me calar.
Calar-me quando tentam me co-agir, quando pensam que podem me calar. Não, não podem mais... Sinto informar aos que assim pensa.
Há dias atrás, eu procurei uma pessoa que havia usando e abusando (para ser mais clara), da confiança nele depositada. Foi varias vezes até um caixa eletrônico e retirou dinheiro que não era dele, e o qual ele não tinha a menor intenção de devolver.
Isso já se passou três anos e cinco meses. Nesse ínterim, ele se aproximou do meu filho menor de idade, e o levou para participar de uma igreja, igreja essa onde ele é líder.
E sempre dizia a meu filho que queria pagar o que devia que ia pagar, mais nada. Em janeiro agora meu filho faleceu em um acidente automobilístico.
Eu entrei em depressão, o que é natural.
Mas a vida anda, e temos que andar também. Tenho mais dois filhos, e pela ordem natural das coisas, voltei a trabalhar e a tomar pé das situações.
Procurei o Senhor Gentileza, que me disse que: “não passa um dia sem pensar em nós”, quando falei da divida então: “Ele não conseguia dormir sem se lembrar dela”. Fiquei imensamente feliz, íamos conseguir o dinheiro para o mestrado da minha filha. Oba!
Mas os dias foram se passando e nada.
Decidi procurar sua empregadora, contei a historia e ela me disse que iria falar com o Senhor Gentileza. Mas qual não foi a minha surpresa, quando meus filhos me informaram que em uma tentativa de me co-agir, o Senhor Gentileza havia procurado meu ex-marido, e dito a ele que eu havia ido até seu trabalho para denegrir a imagem do meu filho.
Senhor Gentileza eu não fui ai para denegrir a imagem de ninguém, mesmo porque não consigo entender pra que serve para alguém que não está mais aqui entre nós uma imagem. Eu estive ai sim para receber o que o senhor nos deve, a mais de três anos.
A única pessoa capaz de denegrir a imagem do meu filho é o senhor, desonrando a sua palavra dada.
Levando uma vida mascarada, dupla, tripla ou sabe se lá quantas personalidades doentias tem.
Como que uma igreja evangélica pode aceitar como líder de jovens, e líder de louvores, um psicopata, um estelionatário. Todos nós sabemos que não adianta belas palavras, é preciso exemplo. Que tipo de exemplo esse homem está passando para esses jovens? O exemplo de que você pode ludibriar mentir, chantagear, e depois co-agir, bastando para isso que você seja muito educado e solicito, vai ficar tudo sempre bem? E isso que queremos que nossos jovens aprendam? E a esse a tipo de gente, que vamos entregar nossos filhos durante os finais de semana?
Foi exatamente isso que o meu filho achou que estava certo senhor Gentileza. Ele achou que como o senhor sempre se safou, ele também ia se safar.
Foi por isso que ele não hesitou em errar, desde que ele continuasse um “bom evangélico” não é?
Fazendo cara de bonzinho se vai longe... É esse o recado que o senhor deseja passar para o seu liderado? Sinto te informar, o Vinicius não foi longe.
Deus em sua infinita misericórdia, não permitiu que meu filho chegasse a esse ponto. Eu choro todos os dias por falta do meu filho. Sei que sou responsável pelo aconteceu, responsável, não culpada. Mas só tenho o que agradecer a Mão do Criador. Porque sei que existem coisas muito piores do que a morte.
E tendo você, e o pai como exemplos, onde meu filho poderia chegar?
E irônico, mas não dizer desesperador. Mas tenho que admitir. Foi melhor assim.
Não me calo sob coação meu senhor. Fiz isso por mais de vinte anos, e obtive o resultado no dia 11 de janeiro ultimo. Acabou. Meu silêncio teve fim, naquele dia.
Uma pessoa com esse perfil psicótico, não pode de forma alguma, ser líder de jovens, aliás, vamos falar sério, não pode nem viver em sociedade.
E muito menos ser gerente de cursos profissionalizantes. Vamos começar a levar nossas vidas mais a serio? Vamos começar a ter responsabilidade com o que criamos? .
“um sermão te sustenta, mas um exemplo te arrasta”
Ou melhor, como costuma dizer um grande amigo meu: “Eu não consigo ouvir o que você diz, porque o que você é está gritando”.
Todos que tem um pouco de discernimento sabem que não é o que uma pessoa diz que conta, é como essa pessoa age, o que ela realmente faz suas intenções por trás de suas ações, “gente muito boazinha normalmente está planejando alguma coisa muito malzinha essa é a verdade”.
Um psicopata é capaz de fazer sermão para um jovem sobre: Esse jovem, levar uma vida reta, e não se aproveitar da confiança alheia, enquanto ele mesmo está fazendo exatamente isso.
Fui casada com um psicopata, e sei do que eles são capazes, meu ex-marido me espancava, me deixava e meus filhos passando privação, e saia falar sobre relacionamentos, sobre como educar um filho, e todo o tipo de absurdo que um psicopata é capaz de falar e fazer.
Não tenho mais medo em denunciar, psicopatas, porque entendi que só a denuncia é capaz de pará-los. São pessoas monstruosas, sem sentimentos, eles são incapazes de emoções. E segundo psicólogos e psiquiatras do mundo inteiro já nascem assim, com a maldade dentro deles.
Na Europa já existe presídios separados, para psicopatas, eles não podem se misturar aos outros presos para não influenciá-los e nem lhes causar mal.
Ou melhor, a denuncia só está preservando nomes, do envolvido, da igreja que ele freqüenta e do local que ele trabalha, porque tenho que esperar receber as micro filmagens, para provar o que estou dizendo.
Mas como sei que muitos sabem do que estou falando decidi postar hoje um alerta para que, as pessoas possam se prevenir de mais um psicopata.
Espero que assim que estiver com as provas nas mãos, o conselho de pastores de Rondonópolis, a quem eu estou enviando uma copia dessa minha postagem possa está tomando alguma atitude contra esse tipo de absurdo.
Assim como espero o mesmo dos empregadores dessa pessoa.
Espero também contar com a mídia local, para a formalização da denuncia junto ao ministério publico e também junto ao Conselho Tutelar da Infância e da Adolescência.
Nada melhor do que deixar que Deus faça as coisas por nós. Talvez se esse homem, tivesse nos pago, nó nunca teríamos a iluminação de denunciá-lo publicamente.
Mas eu creio que essa denuncia é muito melhor do que receber. Aliás, é o pagamento a toda a sociedade. Coloco-me a disposição desde já para ouvir e postar qualquer outra denuncia sobre esse psicopata ou outro, nesse espaço.

Deixo aqui um link de uma amiga especialista em psicopatas:
http://psicopatasss.blogspot.com/2009/09/psicopatasss-em-video.html

Mandamentos dos psicopatas:
Zelais apenas pelos vossos interesses;
2 - Não honreis a mais ninguém além de vós;
3 - Fazei o mal, mas fingi fazer o bem;
4 - Cobiçai e procurai fazer tudo o que puderdes;
5 - Sede miseráveis;
6 - Sede brutais;
7 - Lograi o próximo toda vez que puderdes;
8 - Matai os vossos inimigos;
9 - Usai a força em vez da bondade ao tratardes com o próximo;
10 - Pensai exclusivamente na guerra.Maquiável

TPA
Transtorno de Personalidade anti-social

1) falhas em adaptar-se às normas sociais que regem os comportamentos legais, indicadas pela repetição de atos que são motivos para prisão.
2) propensão para enganar, indicada por mentiras repetitivas, uso de codinomes e manipulação dos outros para benefício ou prazer pessoal.
3) impulsividade ou falha em planejar o futuro.
4) irritabilidade e agressividade, indicado por brigas e agressões repetitivas.
5) desrespeito negligente pela própria segurança ou dos outros.
6) irresponsabilidade, indicada por falhas repetitivas em sustentar um trabalho consistente ou honrar obrigações ( financeiras ou morais ).
7) falta de remorso, indicado pela indiferença ou racionalização ao ter maltratado alguém ou roubado alguma coisa.
B - O indivíduo tem pelo menos 18 anos de idade.
C - Há evidências de transtornos de conduta com início antes dos 15 anos de idade.
D - A ocorrência do comportamento anti-social não é exclusiva do curso da esquizofrenia ou de um episódio maníaco.

Mentes Perigosas

Entrevistas com Psicopatas
Não, não temos sentimentos éticos e altruístas
Nem sentimentos de culpa e de vergonha
Sim,abusamos de mentiras e insinceridade
Sim,mascaramos atos amorais
Não, jamais admitiremos erros
Sim, ignoramos regras éticasSim, fazemos intrigas
Sim, fazemos uso de manipulação e chantagem
Sim, não temos remorsos
Sim, somos promíscuos
Sim, somos irresponsáveis
Não, não nos responsabilizamos por nossas ações
Sim, faremos de tudo para alcançarmos nossos objetivos
Sim, somos racionais articuladores
Sim, estaremos sempre impunes
Sim, queremos destruir vocês
Não, suas emoções não nos incomodam
Não, não temos princípios
Sim, queremos derrubar todos os valores
Sim, somos irreconhecíveis
Sim, somos transgressores
Sim, somos indiferentes aos seus sentimentos
Sim, nossa mente é cruel
Sim,sabemos representar
Sim, somos predadores
Sim, vocês são as presas
Sim, queremos o poder
Sim, somos perversos
Sim, somos superiores
Sim, somos psicopatas
Não, não existe tratamento...

Porque os portadores do TPA não temem a justiça?
Não a temem porque não têm as emoções normais de um ser humano.
Quando envolvidos em questões legais assistem com indiferença os processos, como se não tivessem envolvidos.
Quando adquirem muito dinheiro com sua atividade predatória, usam estes recursos para escapar das consequências de seus atos, além de grandes promessas de mudança e arrependimento que às vezes sensibilizam os encarregados da justiça.
Quando não têm recursos financeiros e são condenados isto não tem importância.
Vão para a prisão onde eles organizam facções criminosas, usam e vendem drogas, recebem entregas de alimentos e ´´ visitas íntimas ``. Eles não se sentem nada penalizados e a única coisa que eles temeriam fica muito afastada deles: o trabalho.
Leia mais

Os Psicopatas não param

Esta dois ultimos paragrafos foram recortados do blog de Ana Maria C. Bruni "Psicopatas"
Que a luz e a paz esteja com todos nós.
Uma mulher.


publicado por araretamaumamulher às 15:03 | link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Quarta-feira, 09.09.09
Na verdade, a primeira fase da cura faz com que antigas feridas sejam sentidas novamente como se fossem recentes. Só se você conseguir, ou melhor, se permitir passar por essa primeira fase, começará a se sentir segura para olhar para os seus verdadeiros medos, que antes eram intensos demais para serem confrontados.
É preciso coragem para ver que o medo e a duvida que venha a tona, estão surgindo para serem examinadas e liberadas, e não vividas cegamente.
Houve uma época na minha vida em que eu me sentia muito confusa, sem entender o porquê não conseguia manter um relacionamento duradouro e significativo. Eu achava que nunca ia me ligar de forma satisfatória a um homem, e que meus amigos sempre me trairiam. Dizia a mim mesma, que a culpa não era minha, que eu havia dado o melhor de mim em todas as situações.
Finalmente cheguei a triste conclusão de que havia algo de errado comigo. Confusa como andava, avariada como acreditava está, eu entrava e saia de relacionamentos e de amizades aos trancos e barrancos. A confusão por fim contaminou a minha vida financeira.
Confesso que não me dispunha a dizer aos homens da minha vida, o que queria, por medo de que me deixassem que não dissesse aos meus amigos que eles estavam ultrapassando limites por medo de se zangarem comigo. Confesso que não estava gerenciando minhas finanças com atenção, e cuidado por achar que não tinha dinheiro suficiente para tudo o que queria fazer. Confesso que me achava feia, gorda, pouco inteligente, pouco digna, sem valor e um desapontamento para a minha família e para Deus.
Eu não confessava isso nem para mim mesma, sobre mim mesma e por isso não dava os passos necessários para corrigi-los.
Quando você mente para si sobre as suas próprias necessidades, acabará mentindo para os outros sobre essas mesmas coisas.
Mentir para si, ou para os outros sobre nossas necessidades e desejos, sobre o que se gosta ou se deixa de gostar, é igual a ter um fungo bactericida. Ele vai se espalhando rapidamente por todas as áreas da nossa vida e poluindo toso o nosso ser. Quando você se polui com o fungo da desonra e do desrespeito, fica difícil falar em sua própria defesa. O fungo cola a sua boca e anuvia a mente, fazendo sempre com que você duvide de si mesmo, enquanto esta sentindo. Ele proíbe você de encontrar a reação mais apropriada quando sua sensibilidade é ferida. Mas com qualquer bactéria, um fungo que não é tratado se transformara numa infecção. A infecção se espalha quando você não se honra nem se respeita mais. A infecção se transforma em raiva. A raiva jorra de dentro de você quando as pessoas dizem ou faz coisas que você passou tempo demais sem questionar. O fungo de não honrar o que você sente, de não dizer o que você quer, de não dizer o que precisa dizer, jorrará de dentro de você com fúria e poluirá os seus relacionamentos. Relacionamentos familiares, relacionamentos profissionais, relacionamentos pessoais, relacionamentos íntimos. Nenhum deles está imune ao fungo que vai crescendo lá dentro quando você não se honra e não se respeita a cada passo do trajeto que é a sua vida com outras pessoas.
Que a paz e a alegria esteja com você
Uma Mulher..........
Até amanhã


publicado por araretamaumamulher às 11:35 | link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 08.09.09
Eu me rejeitava previamente. Achando-me imperfeita, ficava presa na negatividade, e acreditava que outras pessoas se sentiam da mesma forma em relação a mim.
Mas na maioria das vezes isso não é verdade. Quanto mais as pessoas me aceitavam, mais eu sentia necessidade de ser vigilante. Mantinha-me atenta a menor razão para que alguém me rejeitasse. Hoje sei que não funciona assim, sei que o amor que recebo se limita apenas a minha capacidade de recebê-lo. Mas é muito fácil nos fecharmos para o amor, ou em outras palavras darmos as costas para o Espírito.
Nossa negatividade interior diz “não” quando o amor nos é oferecido.
O ego com todos os seus medos e interesses, bloqueia a nossa habilidade de perceber a sorção de amor que nos está sendo oferecida.
Quando nos apaixonamos, nos apaixonamos por um espelho de nossas necessidades atuais. O intenso desejo que sentimos por outra pessoa não é inato dela, o desejo nasce daquele que deseja.
No meu caso minha auto-imagem era de uma garota indefesa e mal-amada, qualquer demonstração de poder gerava um incrível anseio dentro de mim.
O que a maioria de nós leva para o relacionamento não é a plenitude, mas a carência. Quando a carência domina o amor, a frágil teia é rompida.
A carência implica uma ausência dentro de si, uma peça que está faltando e que outra pessoa deve fornecer.
A carência é uma força poderosa no modo de existência mais familiar que conhece que é a busca da auto-imagem. É ai que surge os primeiros indícios da incompatibilidade.
É injusto culpar uma única pessoa pela falta de confiança dada a nossa vivência social.
Todos nós fomos condicionados a obedecer às necessidades do ego cegamente, vivemos numa sociedade que desconfia do contato intimo. A traição de nosso espaço é extremamente perturbadora, mesmo quando não ocorre violência alguma.
Duas pessoas envolvidas num processo de pensão ou numa amarga disputa de custodia, estão essencialmente tirando vantagem do conhecimento intimo que adquiriram no casamento, transformando assim confiança em agressão.

Não é de se espantar que permitir que outra pessoa atravesse nossas bem guardadas defesas, cause um profundo conflito, pois a pessoa que poderia nos livrar de uma ameaça, também pode ser nosso inimigo, dentro de nossas próprias muralhas.
Estar amando não vai abolir o crime, a guerra, a falta de moradia, as lutas raciais, e as incontáveis outras ameaças a nossa volta.
O efeito mais destrutivo de sentir-se ameaçado é cortar o fluxo do amor.
Se você não aprendeu sobre o amor, desde a infância e muito difícil ficar junto de outra pessoa sem se defender.
A pior impressão que se pode ter da infância é a de que seus modelos para o amor também foram modelos de traição.
Isso acontece em casos de abusos físicos, sexual, e ou emocional. Com qualquer tipo de abuso no seu passado, você vai considerar secretamente todo (a) amante como um inimigo (a) em potencial. A caricia mais gentil, contem a possibilidade de ataque, a ternura mais suave reverbera com o potencial da degradação.
Ironicamente, são exatamente essas pessoas que mais ambicionam o amor. Mas sendo inseguras, sentindo uma necessidade de defesa, alem do razoável, elas também se afastam rapidamente do compromisso. Elas não estão certas, lá no fundo, de que podem amar, apesar de seu anseio.
Conseguir o verdadeiro amor é um processo de crescimento, e o primeiro requisito é tornar-se consciente e quanto você não está sendo sincero.
Alias eu gostaria de fazer aqui um parêntese para explicar uma coisa que creio e de suma importância para todos: Não existe nenhuma forma de sairmos de qualquer situação de risco, a não ser que estejamos realmente dispostos a sermos sinceros, a dizer a verdade para nós mesmo. Com costumo dizer: olhar o burraco bem de perto e ver o verdadeiro tamanho, e profundidade que é.
Creio está ai, o erro da maioria dos livros de auto-ajuda. Eles esquecem de dizer que só vamos ter aquilo que verdadeiramente acharmos que merecemos aquilo que o nosso inconsciente acha que temos direito. É isso que temos da vida.
Bom amanha tem mais
Fiquem na luz e na paz.
Ararêtama uma mulher.


publicado por araretamaumamulher às 12:44 | link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 07.09.09
Buscava remover o meu sofrimento do passado e não conseguia ver o presente, em minha preocupação com o passado, não via o meu total comprometimento com o passado. E assim deixei de me relacionar com o presente.
Sombras do passado envolviam todos os meus relacionamentos. Quem poderia me dar o que eu pensava que o passado havia me privado? Tive que tomar consciência de que o passado não era nada. Parei de buscar a culpa da minha privação nele. Porque entendi que ele se foi. Entendi que estava mantendo uma ilusão, de que o meu passado ainda estava aqui. Fazia isso porque pensava que ele ainda me servia para algum propósito que eu queria ver cumprido no presente, e assim não conseguia perceber que esse propósito também já tinha ido, estava no passado.
Aprendi a não subestimar a intensidade da minha compulsão em me vingar do passado. É uma compulsão completamente selvagem e insana. Porque eu me lembro de tudo que fiz, e o que foi me feito, e buscava o pagamento que me era devido.
Essas fantasias eu levava aos meus relacionamentos e assim encenava o ódio.
Cenas imaginadas, dores relembradas, desapontamentos passados, injustiças percebidas, tudo isso entrava comigo nos meus relacionamentos. Era assim que eu buscava restaurar a minha auto-estima ferida.
Minha maior fantasia era o sonho de vingança.
Existe um poema da xamã norte americana Jamie Sams, que sempre me tocou muito, por falar exatamente sobre isso:
CAMINHOS DE CURA
Ensine-me a reunir
Os fragmentos de minha alma
Resgatando meu potencial perdido
Em busca da unidade

Permita-me encontrar o perdão
E abraçar uma nova forma de ser,
Abrindo mão da dor e da raiva
Contra todos que me feriram

Permita-me curar o meu corpo humano
O veiculo sagrado da alma
Curando todas as desarmonias
Encontradas na tigela da Cura

Permita-me a coragem necessária
Para enfrentar os inimigos interiores
Curando minhas fraquezas
E honrando o guerreiro que ali está.

Permita-me honrar a promessa sagrada de ser leal
A minha busca de totalidade
Sem nunca abandonar minhas curas
Nem o coração que bate em meu peito.
Jamie Sams.

Minha falta de auto-estima sempre esteve relacionada com recordações sombrias do passado.
Minha infância foi marcada por experiências que me diziam que eu não era bastante boa, todos nós temos lembranças dolorosas similares.
Na adolescência transferi essas lembranças para minha aparência e atração sexual. Não conseguia me aceitar porque qualquer comparação me colocava na sombra.
Precisei criar muita coragem para abrir o alçapão sob o qual minhas magoas secretas e meus medos sombrios espreitavam. Confrontar a vergonha e a culpa.
Apesar da limpeza que ainda faço sempre e sempre, fica uma pergunta: É possível nos livrarmos de todos os demônios e duvidas de toda nossa memória dolorosa e energia negativa?
Tenho ido em frente, mas sei que poucos de nós tentaram essa imensa empreitada.
Amanhã tem mais
Fique na luz e no amor.
Ararêtama uma


publicado por araretamaumamulher às 12:08 | link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quarta-feira, 02.09.09
Ser humano é ter defeitos e imperfeições. Todos nós cometemos erros, ás vezes magoamos as pessoas que nos são próximas, e às vezes nos comportamos muito mal. No entanto, essa simples verdade parece-nos muito difícil de aceitar.


Quando me conscientizo de que magoei meu filho por causa de um dialogo descuidado, eu me encolho por dentro, como que tentando me defender da dor que é parte inevitável da consciência de meus atos. Temos relutância ainda maior em aceitar as mensagens sobre nossos defeitos vindas de outras pessoas. Imediatamente erguemos defesas, com se estivéssemos sendo fisicamente atacados. Na verdade, a reação fisiológica de defesa lutar/fugir, adequada a situações nas quais existe uma ameaça imediata de dano corporal direto, é usada para proteger a auto-imagem idealizada, que precisa ter a aparência de certa e boa, e não de errada e má. Esquivamos-nos de encarar nossos erros e defeito porque eles são umas partes dolorosa, embora inevitável, de quem somos. Somente quando contenho o perfeccionismo é que consigo sentir a simples tristeza de ter magoado o meu filho. Respiro profundamente, afrouxo as defesas automáticas e sinto a simples dor. Somente assim consigo perdoar. Atinjo um nível mais profundo de auto-aceitação.

Quando negamos nossos defeitos, nosso egoísmo fica enredado na tentativa de parecer melhores do que somos e afastar a culpa pelas nossas dificuldades. “Não foi minha culpa” é a primeira coisa que a criança em nós grita sempre que confrontamos com nossos erros. Quando acontece alguma coisa desagradável, respondemos internamente como a criancinha que ouve a voz da mãe chamando por ela depois que um terremoto abalou a casa. Sua primeira resposta é: ”Não fui eu, mamãe”. A criança dentro de nós tem medo de reconhecer que possuir qualidades más ou imperfeitas signifique que ela é unicamente má, ou que, sendo tremendamente má, ela será julgada ou rejeitada pelos “outros” pais que, imaginamos, são responsáveis pelo nosso bem-estar.

Por medo do eu imperfeito, criamos um eu - mascara, um eu - idealizado, o eu que pensamos que deveríamos ser em vez de admitir que sejam seres humanos imperfeitos. Todos nós respondemos prontamente “vou bem” quando nos cumprimentam, por maiores que seja a nossa depressão, por causa da critica que o chefe acabou de nos fazer, ou a alegria por um recente sucesso profissional. Asseguramos prontamente a nós mesmos e aos outros que “eu estou bem, sou competente, posso dar um jeito”, por maiores que sejam a carência, ou a infelicidade verdadeira.

Seja qual for a mascara criada – o bom menino, a boa menina, a mulher ou o homem poderoso, o aluno aplicado ou o professor confiante, a criança carente ou o adulto competente, o pesquisador ingênuo ou o cético experiente – ela é uma tentativa de nos colocarmos num plano acima dos defeitos e da do, de negar nossa mediocridade e pequenez. Criamos uma mascara sempre que tentamos nos apresentar como pessoas amorosas ou poderosas, mas competentes ou carentes, mais compassivas ou céticas do que realmente somos naquele momento.

À medida que aprofundamos o compromisso de ser honestos com nós mesmos e com os outros, criamos uma base sólida para a auto-estima. Fazer um bom conceito de si mesmo passa a não depender mais de atender ás exigências irrealistas de uma mascara perfeccionista; ao contrario, seu fundamento é a coragem de encarar a realidade humana imperfeita atual. O imenso potencial humano que temos só pode ser realmente nosso depois que ousamos ser exatamente e exclusivamente quem somos em cada momento, por mais mesquinha e assustadora, grandiosa e ou sagrada que seja a realidade temporária.
Fique na paz e na luz.
Ararêtama uma Mulher.
http://araretamabiojoias.blogspot.com/


publicado por araretamaumamulher às 11:47 | link do post | comentar | favorito

Domingo, 30.08.09
Porque se você leva consigo uma fantasia, de como, deveria ser o amor, vai perder a coisa real quando, ela cruzar o seu caminho.
O amor real começa com interações cotidianas que possuem a semente da promessa, não com o êxtase total. A semente é fácil de ser ignorada, e nada nos cega mais em relação a ela do imagens mentais fixas.
Do mesmo modo, se você for por ai num estado de ansiedade, perguntando-se se alguém vai te escolher, para amar, nunca vai se tornar atraente para quem quer que seja, pois nada mata mais o romance do que o medo.
Mas até você decidir, a admitir para si exatamente o que quer, sentirá confusão. Até se dispor a pedir exatamente o que quer da vida, ou de qualquer situação e ou de relacionamentos com outras pessoas, você se sentirá confuso. A confusão só diminuirá quando você acreditar realmente que merece aquilo que deseja, que tem direito, de ter a experiência que deseja ter.
Devido a culpa que sentimos, todos os relacionamentos tem elementos de medo. E é por isso que mudam tanto e tão frequentemente. Eles não são baseados no amor imútavel.
Quem você realmente é, e não uma coleção de partes, mas um todo. Ver a si mesmo como um todo é o primeiro passo para se considerar atraente. Todos nós somos tentados a catar pedaços de nós mesmos, é esse ato de auto-critica, e não as próprias peças que fazem com que você se sinta pouco atraente. Você é apenas humano, o mesmo é verdadeiro em relação a todas as pessoas que conhece.
Levamos toda essa bagagem para nossos relacionamentos, e ai não conseguimos ver o outro e nem deixamos que ele nos veja, porque estamos na realidade vendo ideais e não o verdadeiro ser humano, estamos mostrando também  ideiais..... Só que ideiais não se sustentam no cotidiano, e ai a coisa começa a ficar feia......
Lutar para ser atraente é só outra forma de desespero que os outros veêm, por mais que você lute para disfarçar. Porém tão forte é nosso condicionamento social, que são gastos bilhões de dolares a mais em cosméticos , moda, e cirurgia plastica do que na psicoterapia, por exemplo, apesar do fato de que trabalhar suas neuroses tornar as pessoas muito mais atraentes do que uma figura elegante ou roupas na moda.
Comparamo-nos constatemente com um ideal que nunca poderemos realizar. A voz interior sem amor ( o ego) nos impulsiona dizendo "você não é bom o bastante, bonito o bastante, magro o bastante, suficientemente feliz ou seguro.
Procuramos a aprovação nos outros, projetando assim nossa satisfação interior conosco, na esperança de que alguma autoridade externa a retirará de nossa alma.
Luz e Paz.
Ararêtama uma mulher.....


publicado por araretamaumamulher às 08:53 | link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Sexta-feira, 28.08.09
O mundo em que vivemos é um mundo de escassez, e nós só estamos nele por que algo nos falta. Temos que apredermos a nos perguntar: O que realmente está nos faltando?
Quando decidi fazer essa pergunta recebi uma resposta devastadora para mim. O que me faltava era Amor. A enorme carência e falta de adequação que sempre senti, eu havia transferido para minhas finanças. Fiz isso porque doia muito encarar o fato de que eu carêcia de amor, de me sentir amada, necessaria.
Por isso eu rarissimas vezes tive o suficiênte para sobreviver com o minimo de dignidade, com meus filhos.
Controlar ou fugir das dividas, era parte da minha vida, como o ato de se alimentar.
Mas meu ego exarcbado jamais me deixou admitir que o que eu realmente queria era amor, eu precisava me encher de amor. Como não conseguia me enchia de dividas, me enchia de comidas, me enchia de cigarros e fazia da minha vida e da vida dos meus filhos uma mentira.
"Você precisa investigar e descobrir por você mesma o que é a verdade". Essas palavras poderosas ditas por um amigo, foi meu ponto de partida.
Quando você tem coragem bastante para por em duvida e xaminar aquilo que aprendeu a aceitar como verdadeiro a sua recompensa será verdadeiramente deslumbrante. Descobrir e abraçar a verdade, encherá seus olhos de lagrimás e erradicará as falsas crenças. "A verdade vos libertará".
A verdade nos libertará dos temores habituais que o processo da vida nos impõe. A verdade iluminará a necessidade de sermos qualquer coisa além do que já somos.
Mas todos nós temos segredos, todos nós temos alguma tendência a viver com medo do julgamento. Uma voz dentro de nós nos previne que outras pessoas julgarão nossas transgressões tão duramente quanto o fazemos.
Mas essa auto-codenação possui outra face. Para fazer com que nos sintamos mais seguros de sermos julgados, procuramos defeitos nos outros primeiro.
Toda incerteza vem do fato de que você está sob coerção do julgamento. Trazer a tona o que quer que você pense que está errado consigo mesmo é a unica maneira de dissolver a culpa e a vergonha.
Quase todos nós já pedimos amor e recebemos rejeição no lugar dele. Levamos nossa fragil auto-imagem para situações em que elas foram surradas, em que a esperança morreu e nossa pior imaginação tornou-se verdade.
O efeito da rejeição, do fracasso, da humilhação, e de outros traumas é o entorpecimento dos nossos sentimentos.
Que a luz e apaz esteja com todos até amanhã.
Ararêtama uma mulher.


publicado por araretamaumamulher às 05:52 | link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
22

23
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

As consequencias das agre...

Nunca vou compreender ist...

eu tenho uma dor dentro d...

Ainda me lembro quando es...

A dor maior que habita a ...

A morte de um filho deixa...

A violência que ninguém v...

Somos Todos Curadores Fer...

Imagens

UMA MULHER EM SOFRIMENTO

arquivos

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

tags

a desvalorização da mulher

a morte de um filho

a mulher e acultura da desvalorização

agressão da mulher

agressão psicologica

agressor

amor

anorexia

aprendizado

baixa auto estima

baixa auto estima origem da dor.

baixa auto-estima

beleza

bulimia

circulo vicioso.

como agir em caso de violência

comotratar a violência

comportamento machista

consentimento silencioso.

criança ferida

cristianismo e o preconceito ao feminino

crueldade na familia

culpa

denuncia

depressão

desejo sexual

deus

dia da mulher

direitos humanos

direitos humanos para a mulher vitima.

dor

dor humilhação

educação

educação de filhos

emoções

envelhecer

falta de amor

familia

familia desestruturada.

feminismo

filho

gordura

humilhação

infância

infancia de dor

inveja

lar

lei maria da penha

luto

machismo

mãe

manipulação.

máscara

medo

medos

menopausa

mentira

mídia

mídia especializada

mitos verdades

morte

morte de um filho

morte prematura

mulher

mulheres

mulheres violentadas.

oração

orgulho

patriarcado

perda

perda de um filho

perdão

perversão

preconceito

rede social

relacionamentos

sagrado

silencio

silêncio

sociedade

sociedade machista

solidão

sonhos

suicidio

velhice

verdade

vergonha

violência

violencia

violência aceita

violência contra a mulher

violência da mulher

violencia da mulher

violência doméstica

violência emocional

violencia emocional

violência psicologica

violência sexual

vitima

vitimas de violencia.

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds