Segunda-feira, 21 de Setembro de 2009
Rondonópolis está em estado de choque.
Como conseguimos explicar tamanha barbárie, como explicar que um monstro saiu de sua casa, com o único objetivo de assassinar uma família inteira, em nome do amor.
Que amor? Quem ama, não mata quem ama cuida do ser, isso já está bem batido.
Mas parece que ainda não está dentro de alguns. Quem ama não tenta obrigar o outro a viver onde e com quem não quer.
Isso é orgulho ferido, esse sim é capaz de matar, de violentar. Esse monstro, não é capaz de amar, porque ele não se ama, não conhece o amor.
Como a sociedade faz para se defender de monstros como esse? O que podemos fazer?
Acho difícil, porque fica muito fácil numa hora dessas achar um culpado. Parece que quando encontramos um culpado, isso nos traz certo alivio á nossas consciências.
Mas não é colocando a culpa no outro que vamos conseguir resolver o problema. Temos sim, cada individuo como parte da sociedade se perguntar o que eu posso fazer para ajudar a resolver um problema como esse?
Sempre achei muito fácil, e cômodo, entregarmos toda a responsabilidade para outros. Sejam eles: governo e estado, ou não. É muito simplista deixar nas mãos de outros nossa responsabilidade.
É aquela historia das pessoas que entregam suas vidas nas mãos de padres, pastores ou qualquer outro líder religioso. Isso resolve o problema de momento, porque se você estiver errando sempre vai poder colocar a culpa: no padre ou no pastor, ou em qualquer outro.
Mais tenho uma duvida: Quando você quer comer, você tem que comer você não paga alguém para comer em seu lugar, você não paga alguém para respirar para você, você não paga alguém para amar a pessoa que você ama. Mais você paga alguém para cuidar da sua alma imortal, da sua eternidade? Ou ainda você paga alguém para que cuide de sua segurança e da sua família, se excluindo de qualquer responsabilidade?
O que o estado pode fazer?Qual a obrigação do estado em saber quem é monstro e quem não são?
No caso aqui de Rondonópolis, será que essa é a primeira mulher que foi agredida, e mal tratada por esse monstro? Onde estão às outras pessoas que sabia o quanto esse ser era violento e não tomou a devida providencia de avisar as autoridades competentes?
Porque um ser desses teve oportunidade de fazer o que fez? Porque não foi freado antes?
Creio eu que é obrigação de cada um de nós como cidadão, denunciar, comunicar, avisar, a todos que possam interessar que alguém não muito normal está solto.
A estatística nos diz que uma pessoa não começa a ser violento do nada, um monstro nasce assim. Então esse que estamos falando já deve com toda a certeza feita outras.
Agora se ele fez se foi levado ao conhecimento das autoridades competentes e nada foi feito. Ai sim vamos cobrar e cobrar duro.
Porque lhes pagamos caríssimo para que façam o seu trabalho. Sai de nossos bolsos, o oneroso salário de cada pessoa do poder publico que não será considerado tão oneroso assim se for feito o que lhes cabe fazer,
Não estamos aqui tentando justificar nada, mesmo porque nada há para se justificar nessa situação.
Uma mulher de apenas 23 anos, que não teve a oportunidade de conhecer nem a maternidade, nem de viver a vida, teve a sua vida ceifada por um psicopata.
E junto com ela a vida de sua mãe e de seu padrasto. Isso não tem justificativa. Isso não deve ter perdão.
O porquê nesse caso, jamais nos satisfará a curiosidade.
Esse monstro que agiu de caso pensado, ainda agora está tentando fazer sucesso como é natural em alguém com esse tipo de personalidade, dizendo que vai se suicidar.
Ligando para a família das vitimas e ameaçando de se suicidar? Onde estamos?
Será que ele deseja que alguém tente pará-lo? No que me diz respeito eu desejo a ele um mau suicídio. Apesar de saber que ele não vai fazer isso, ele só deseja se mostrar. Se pavonear.
Pessoa desse tipo tem que ser paradas o mais cedo possível. E paradas de verdade.
Volto a repetir, não existe um psicopata em cada esquina, mais um psicopata faz um enorme estrago em muitas esquinas, não precisam ter duvidas disso.
Amanha falamos mais
Fique na Luz e na Paz.
Uma Mulher.


publicado por araretamaumamulher às 13:57 | link do post | favorito

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
22

23
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

Característicos da violên...

As situações de violência...

Fatores que contribuem pa...

As (in) visíveis seqüelas...

As consequencias das agre...

Nunca vou compreender ist...

eu tenho uma dor dentro d...

Ainda me lembro quando es...

Ser mãe é padecer no para...

Mulheres, cuidando da cas...

arquivos

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

tags

a desvalorização da mulher

a morte de um filho

a mulher e acultura da desvalorização

agressão da mulher

agressão psicologica

agressor

amor

anorexia

aprendizado

baixa auto estima

baixa auto estima origem da dor.

baixa auto-estima

beleza

bulimia

circulo vicioso.

como agir em caso de violência

comotratar a violência

comportamento machista

consentimento silencioso.

criança ferida

cristianismo e o preconceito ao feminino

crueldade na familia

culpa

denuncia

depressão

desejo sexual

deus

dia da mulher

direitos humanos

direitos humanos para a mulher vitima.

dor

dor humilhação

educação

educação de filhos

emoções

envelhecer

falta de amor

familia

familia desestruturada.

feminismo

filho

gordura

humilhação

infância

infancia de dor

inveja

lar

lei maria da penha

luto

machismo

mãe

manipulação.

máscara

medo

medos

menopausa

mentira

mídia

mídia especializada

mitos verdades

morte

morte de um filho

morte prematura

mulher

mulheres

mulheres violentadas.

oração

orgulho

patriarcado

perda

perda de um filho

perdão

perversão

preconceito

rede social

relacionamentos

sagrado

silencio

silêncio

sociedade

sociedade machista

solidão

sonhos

suicidio

velhice

verdade

vergonha

violência

violencia

violência aceita

violência contra a mulher

violência da mulher

violencia da mulher

violência doméstica

violência emocional

violencia emocional

violência psicologica

violência sexual

vitima

vitimas de violencia.

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds