Quarta-feira, 3 de Março de 2010
Quando era criança tinha um sonho. O de ser escritora.
Era e ainda sou uma apaixonada por livros, então eu ficava imaginando eu escrevendo os livros. Ficava pensando em que assunto eu falaria, mas sempre acabava achando complicado demais escrever romances, porque tinha muitos personagens.
Na escola minhas redações sempre foram as melhores.
A paixão pelos livros me acompanhou, e talvez tenha sido ela que me salvou, sempre.
A vida continuou, e eu não pude me formar em jornalismo como queria. Aliás, nem pude me formar.
Agora com os filhos praticamente criados, com a vida em um caos absoluto, eis que meu sonho de criança vem me dar alento, vem se mostrar como uma luz no fim do túnel.
Escrevi um livro quase sem querer escrever, foi contando o que me acontecia para não ficar engasgada com tantos sapos que tinha que engolir. Uma grande amiga me aconselhou a escrever tudo o que acontecia, do jeito que eu quisesse, não tinha regras, era só colocar no papel tudo o que vivia e como isso me fazia sentir, e assim fui fazendo, deixei de ir ver a amiga, uma psicóloga que estava na época me atendendo de graça. Mas nunca deixei de seguir o seu conselho.
Isso fez com que eu enchesse uns vinte cadernos (desses de cem folhas capa dura), contando minha vida.
Depois que o meu filho morreu, minha filha resolveu me ensinar a mexer na internet, e eu descobri os blogs, gostei. Comecei a copiar algumas coisas dos cadernos, e a ir acrescentando outras.
No inicio era mais difícil, mas sempre tive muita facilidade em aprender, talvez porque tenho sede de saber. Só sei que resolvi investigar a morte do meu filho por minha conta, e que isso nos levou a uma situação de mais risco ainda do que a que já estávamos acostumados. E o que me levou em um gesto desesperado a escrever uma carta e postar na internet, pedindo ajuda.
Depois pensei melhor me coloquei no lugar do outro e cheguei à conclusão que seria muito difícil, daquela forma eu conseguir o que queria.
Então um dia eu acordei, sabendo o que deveria fazer. ESCREVER UM LIVRO.
Isso estava tão claro para mim, apesar de ainda não saber como fazer, não ter nenhuma idéia de onde procurar. Mas eu fui para o meu blog e contei isso. Parece que só o fato de ter contado no meu blog que eu queria escrever um livro, me deu uma paz, que a muito eu não conhecia.
Bom de lá para cá minha vida tem mudado constantemente. Encontrei amigos verdadeiros, coisa rara, pessoas que simplesmente me disseram, nós vamos te ajudar.
E como tem ajudado, fico sem palavras para agradecer. Às vezes fico até sem graça. Porque sei que elas estão fazendo de tanto coração, com tanto amor, e eu não estou acostumada com isso.
É difícil para alguém, que passou por uma vida de violência emocional, entender tanta generosidade, mas estou aprendendo.
Hoje tenho certeza que meu sonhou é uma realidade, cada dia maior, a capa já está definida, linda do meu amigo RobMaia, nem tenho como agradecer.
A Valeria e a Márcia estão fazendo a revisão. E a Sereníssima vai transformar tudo isso nisso E - Book.
Elas pensam em tudo! Surpreendo-me com o cuidado e os detalhes com que todas essas pessoas estão tendo comigo.
Como esquecer a Lílian, a Sissym, a Regina que foram quem primeiro vieram até mim, e que batalharam de verdade juntos comigo para que eu pudesse encontrar pessoas para me ajudar.
Entendi que junto com realizar o meu sonho de infância, eu estou aprendendo a ter amigos, a conhecer o valor de uma amizade. A conhecer o valor de ser gente. De ser humano.




publicado por araretamaumamulher às 11:59 | link do post | favorito

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
22

23
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

Característicos da violên...

As situações de violência...

Fatores que contribuem pa...

As (in) visíveis seqüelas...

As consequencias das agre...

Nunca vou compreender ist...

eu tenho uma dor dentro d...

Ainda me lembro quando es...

Ser mãe é padecer no para...

Mulheres, cuidando da cas...

arquivos

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

tags

a desvalorização da mulher

a morte de um filho

a mulher e acultura da desvalorização

agressão da mulher

agressão psicologica

agressor

amor

anorexia

aprendizado

baixa auto estima

baixa auto estima origem da dor.

baixa auto-estima

beleza

bulimia

circulo vicioso.

como agir em caso de violência

comotratar a violência

comportamento machista

consentimento silencioso.

criança ferida

cristianismo e o preconceito ao feminino

crueldade na familia

culpa

denuncia

depressão

desejo sexual

deus

dia da mulher

direitos humanos

direitos humanos para a mulher vitima.

dor

dor humilhação

educação

educação de filhos

emoções

envelhecer

falta de amor

familia

familia desestruturada.

feminismo

filho

gordura

humilhação

infância

infancia de dor

inveja

lar

lei maria da penha

luto

machismo

mãe

manipulação.

máscara

medo

medos

menopausa

mentira

mídia

mídia especializada

mitos verdades

morte

morte de um filho

morte prematura

mulher

mulheres

mulheres violentadas.

oração

orgulho

patriarcado

perda

perda de um filho

perdão

perversão

preconceito

rede social

relacionamentos

sagrado

silencio

silêncio

sociedade

sociedade machista

solidão

sonhos

suicidio

velhice

verdade

vergonha

violência

violencia

violência aceita

violência contra a mulher

violência da mulher

violencia da mulher

violência doméstica

violência emocional

violencia emocional

violência psicologica

violência sexual

vitima

vitimas de violencia.

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds