Quarta-feira, 24 de Março de 2010
 O perverso acredita (embora não o assuma ou admita) que, para sobreviver, é preciso usar o outro, sugá-lo, negá-lo, desrespeitá-lo, caso contrário o outro não aceitaria submeter-se a seu domínio; ele crê que não faz nada disso por mal – não era esse seu objetivo –, mas porque, caso não o fizesse, perderia o domínio da situação e se veria perdido e sem saída. Ele não assume, ou não percebe, que ‘precisa’ desta manipulação para ocultar um conflito eterno; para que ela o defenda contra a aceitação do sentimento de menos-valia que deveras sente. E é este sentimento de baixa auto-estima que o perverso buscará agravar no outro, como forma de dominá-lo.
O pavor de enfrentar a si mesmo leva-o a considerar como justificadas quaisquer ações de uso e apropriação do outro – encarando-as como uma questão de sobrevivência, como uma legítima defesa. Suas agressões não consideradas como algo ativamente contra o outro, mas como uma defesa contra ataques que o outro lhe faz. Quando na verdade esta defesa se ergue contra seus próprios fantasmas e fraquezas, que o fazem sentir o outro e sua expansão como ameaçadores. Por um lado, ele sente o outro como ameaçador; por outro, ele precisa sentir o outro como ameaçador para legitimar sua necessidade de apoiar-se nele.
É neste sentido que o perverso serve-se de uma identificação projetiva negativa, projetando no outro o que de ruim ele sente em si próprio, podendo, assim, desvalorizar e destruir o outro, como se estivesse destruindo seus próprios fantasmas, dentro de si próprio, ou controlando-os ao controlar o outro. Desta forma, ele existe através do outro em dois sentidos: por um lado, destruindo suas operação não é eficaz, precisa ser mantida, porque o que funciona é somente que sua manutenção de fato o impede de defrontar-se com seus problemas. Em outras palavras, a satisfação por ele experimentada será sempre superficial, pois dirá sempre respeito apenas a seu falso-eu. Porém, mesmo se isso é vivenciado como existencialmente insuficiente, é ao mesmo tempo pragmaticamente considerado como suficiente, uma vez que ele sente e portanto considera seu verdadeiro-eu como ruim, falho, de modo que a insatisfação sentida confirma para ele a necessidade da defesa perversa: confirma que no fundo ele é uma pessoa ruim ou fadada ao fracasso, que precisa a todo custo esconder de si e dos outros esse núcleo mau, e que portanto é legítimo e necessário apoiar-se nos outros para sobreviver, tanto psiquicamente quanto materialmente.
“Um indivíduo pode conseguir destruir o outro por um processo de contínuo e atormentador assédio”. A perversão se expressa por um assédio: o agressor, continuadamente mas sobretudo em momentos de crise, ataca moralmente os pontos fracos da vítima, que se abala pondo-se em questão de forma crescente, podendo em alguns casos chegar à depressão, ao suicídio ou à morte por doença degenerativa grave.
 As características das vítimas são, em geral, aproximadamente as mesmas: uma pessoa de perfil reparador, com força, vitalidade e vivacidade, que preza a tolerância, que crê ‘entender’ o agressor e que cobra de si mesma não se abalar tão fortemente quanto se abala com as agressões sofridas. O agressor encontra como cúmplices, também pessoas que como ele sente dentro de si um núcleo ruim, e que vêem na submissão ao agressor uma possibilidade de sustentação egóica – neste caso, o quadro toma contornos sado-masoquistas, e a vítima torna-se, em geral, agressor de terceiros. O par agressor-vítima, contudo, como no primeiro exemplo, não é exatamente um par sado-masoquista, uma vez que, embora haja um sadismo da parte do agressor, a vítima não se compraz em sofrer, isto é, não tem necessidade psíquica do sofrimento, mas sim acredita que é forte o suficiente para entender o agressor e vir a não sofrer; e uma vez constatada a reincidência de seu sofrimento, acredita que conseguirá convencer o agressor de que não é bom para ninguém que ele agrida. E se, convencido de que não terá êxito em ajudar o agressor (que a vítima entende como alguém que tem limitações psíquicas e que sofre com isso), a relação chega a uma ruptura, experimenta um grande próprias dificuldades imaginariamente (e continuamente) ao projetá-las no outro e controlando-o ou destruindo-o, pondo no outro aquilo que é recalcado de si mesmo, acusando-o daquilo que ele sente a respeito de si mesmo; e por outro, vivendo da vitalidade do outro.

Estes dois sentidos estão ligados: nem suas dificuldades findam ou se modificam nesta operação, nem a vitalidade que retira ao outro passa a ser sua. Daí o caráter infindável das agressões e injustiças: como a alívio, da retirada de um enorme peso sufocante e opressor.
O grau de masoquismo que observamos presente na vítima da relação perversa seria advindo, não propriamente, de um prazer no sofrimento, que não há, mas da percepção do sofrimento infligido como indicando um desafio a ser aceito e vencido, um obstáculo a ser superado. Quero dizer, o sofrimento infligido pelo agressor é sentido pela vítima como engrandecedor, no sentido de uma provocação a sua força. Não é o caso, portanto, de que ela goste do sofrimento, mas sim, porque sente prazer no desafio que a agressão representa. Digamos que o masoquista se veria, no sofrimento, como uma vítima, enquanto que a vítima do assédio vê-se no sofrimento, antes, como um herói chamado a um grande embate no qual suas virtudes reparadoras poderão ser postas à prova. A agressão mobiliza as forças da vítima desafiando-a a confirmá-las naquele embate, face à dificuldade de lidar com a situação e de transformá-la, certamente alimentando um desejo de transformar o outro.
O paradoxo é o de que a vítima se enreda e se torna vítima, justamente por julgar-se forte, ao menos no fundo; por julgar-se capaz de superar o sofrimento advindo da agressão injusta, e obter, ao final, a grande recompensa de sua capacidade de resiliência, persistência e habilidade sobre o outro: recompensa que é, precisamente, o amor do agressor que até então acena com este amor seduzindo- a, mas na prática a desprezando mais do que supostamente a ama. Ou ainda, a recompensa esperada pela vítima seria o reconhecimento, por parte do agressor, do amor que ele, na verdade e no fundo, sentiria pela vítima, mas não sabe, ou não consegue expressar, devido a suas dificuldades afetivas e relacionais. O jogo do agressor consiste, assim, em dar a entender que ama a vítima, mas em não declarar, não enunciar este amor, ou fazê-lo cada vez menos ao longo da relação, e sempre de maneira ambígua, ambivalente, fugidia. E em alternar entre seduzir a vítima, e, nos momentos de crise, agredi-la fortemente com palavras que tocam seus pontos fracos e a desestabilizam. As vítimas obedecem ao agressor “primeiro, para dar prazer a seu parceiro, [...] pois ele tem um ar infeliz”.
Nem que seja por medo de seu mau humor. “A submissão é aceita como necessidade de reconhecimento e parece preferível ao abandono” – reconhecimento que não virá nunca, ou se vier, virá sempre mitigado e parcial. “Como um perverso dá pouco e exige muito, uma chantagem implícita ou, pelo menos, uma dúvida torna-se possível: ‘Se eu me mostrar mais dócil, quem sabe ele poderá, enfim, me apreciar ou me amar.’ Busca sem fim, pois o outro não estará jamais satisfeito”
A vítima fica paralisada “pela recusa em ver que ela é rejeitada” ou para evitar o constrangimento e o desgaste de um conflito – pois sabe que qualquer contrariedade fará com que o agressor deflagre um conflito.
Assim, “o agressor mantém no outro uma tensão que equivale a um estado de estresse permanente”. Se isso fica explícito na relação de casal, algo análogo ocorre também em relações dentro de grupos sociais ou profissionais.
Estas situações são usuais pois este mecanismo defensivo responde à falhas arcaicas que perduram como um pano de fundo na existência do agressor, que se vê estruturalmente necessitado deste apoio sendo portanto continuamente levado a interpretar as condições ambientais como hostis e assim como exigindo que lance mão de sua defesa perversa.
Embora alguns autores associem este mecanismo defensivo a uma atitude cínica
(Eiguer , 1995), é fundamental para a compreensão da dinâmica da perversão, entendermos o quanto à justificação de seus atos, que o agressor constrói para si, se dá de modo paradoxalmente inconsciente, uma vez que ele de fato acredita em suas construções de fundo paranóico, que se põem a serviço de um sentimento (e não de uma constatação racional ou de um cálculo) de que essas defesas são absolutamente imprescindíveis para sua sobrevivência. O que lhe vem à consciência é que o outro merece seus ataques, e que ele precisa estar sob controle e sob o seu domínio, uma vez que o agressor sente de fato o outro como lhe sendo ameaçador. O que o agressor não permite que lhe venha à consciência, é que esta ameaça é uma construção sua, uma manipulação inconsciente que visa apoiar-se no narcisismo desse outro.
Seu sentimento é o de que o ambiente e os outros se mostrarão, mais cedo ou mais tarde, como enganadores, maculados, falsos, dissimulados. Tal como analisa Eiguer, “o pênis do pai seria falso; a sustentação materna seria uma impostura” (1996, p. XII), de modo que “tudo lhe pesa” (1996, p. 64). Podemos dizer que, na verdade, “o perverso tem medo de seu inconsciente”. “““ “Consternado, ele vigia, ele não tem repouso, trabalhando para erguer uma falsa imagem todo-poderosa a ser usada no mundo, uma imagem sem falhas, sem o mínimo reflexo do vazio”, que se mantém sem sexo nem amor” (EIGUER, 1996, p. 64).
uma tensão que equivale a um estado de estresse permanente”. Se isso fica explícito na relação de casal, algo análogo ocorre também em relações dentro de grupos sociais ou profissionais.
Estas situações são usuais pois este mecanismo defensivo responde à falhas arcaicas que perduram como um pano de fundo na existência do agressor, que se vê estruturalmente necessitado deste apoio sendo portanto continuamente levado a interpretar as condições ambientais como hostis e assim como exigindo que lance mão de sua defesa perversa.
Embora alguns autores associem este mecanismo defensivo a uma atitude cínica
(Eiguer , 1995), é fundamental para a compreensão da dinâmica da perversão, entendermos o quanto à justificação de seus atos, que o agressor constrói para si, se dá de modo paradoxalmente inconsciente, uma vez que ele de fato acredita em suas construções de fundo paranóico, que se põem a serviço de um sentimento (e não de uma constatação racional ou de um cálculo) de que essas defesas são absolutamente imprescindíveis para sua sobrevivência. O que lhe vem à consciência é que o outro merece seus ataques, e que ele precisa estar sob controle e sob o seu domínio, uma vez que o agressor sente de fato o outro como lhe sendo ameaçador. O que o agressor não permite que lhe venha à consciência, é que esta ameaça é uma construção sua, uma manipulação inconsciente que visa apoiar-se no narcisismo desse outro.
O perverso serve-se do outro para seus fins, e preocupa-se em fazer com que o outro se sinta culpado a fim de que a vítima não o odeie por manipulá-lo e usá-lo, e para que, isto feito, não consiga tornar-se independente.
O perverso acredita (embora não o assuma ou admita) que, para sobreviver, é preciso usar o outro, sugá-lo, negá-lo, desrespeitá-lo, caso contrário o outro não aceitaria submeter-se a seu domínio; ele crê que não faz nada disso por mal – não era esse seu objetivo –, mas porque, caso não o fizesse, perderia o domínio da situação e se veria perdido e sem saída. Ele não assume, ou não percebe, que ‘precisa’ desta manipulação para ocultar um conflito eterno; para que ela o defenda contra a aceitação do sentimento de menos-valia que deveras sente. E é este sentimento de baixa auto-estima que o perverso buscará agravar no outro, como forma de dominá-lo.
 O agressor sente que seu eu é frágil; sente também que há problemas na integração de seu eu; mas ele não vê como modificar esta situação, de modo que sua reação catastrófica, porém contínua diante desse quadro, é a de manter a todo preço e às custas do outro este contorno de seu eu, a fim de não defrontar-se com as falhas de integração de seu eu. Sente que essas falhas podem ser percebidas pelo outro e, portanto, não pode relaxar a guarda, deve manter-se atento e atacar se for preciso.
O pavor de enfrentar a si mesmo leva-o a considerar como justificadas quaisquer ações de uso e apropriação do outro – encarando-as como uma questão de sobrevivência, como uma legítima defesa. Suas agressões não consideradas como algo ativamente contra o outro, mas como uma defesa contra ataques que o outro seus próprios fantasmas e fraquezas, que o fazem sentir o outro e sua expansão como ameaçadores. Por um lado, ele sente o outro como ameaçador; por outro, ele precisa sentir o outro como ameaçador para legitimar sua necessidade de apoiar-se nele.
É neste sentido que o perverso serve-se de uma identificação projetiva negativa, projetando no outro o que de ruim ele sente em si próprio, podendo, assim, desvalorizar e destruir o outro, como se estivesse destruindo seus próprios fantasmas, dentro de si próprio, ou controlando-os ao controlar o outro. Desta forma, ele existe através do outro em dois sentidos: por um lado, destruindo suas próprias dificuldades imaginariamente (e continuamente) ao projetá-las no outro e controlando-o ou destruindo-o, pondo no outro aquilo que é recalcado de si mesmo, acusando-o daquilo que ele sente a respeito de si mesmo; e por outro, vivendo da vitalidade do outro.
Estes dois sentidos estão ligados: nem suas dificuldades findam ou se modificam nesta operação, nem a vitalidade que retira ao outro passa a ser sua. Daí o caráter infindável das agressões e injustiças: como a operação não é eficaz, precisa ser mantida, porque o que funciona é somente que sua manutenção de fato o impede de defrontar-se com seus problemas. Em outras palavras, a satisfação por ele experimentada será sempre superficial, pois dirá sempre respeito apenas a seu falso-eu. Porém, mesmo se isso é vivenciado como existencialmente insuficiente, é ao mesmo tempo pragmaticamente considerado como suficiente, uma vez que ele sente e portanto considera seu verdadeiro-eu como ruim, falho, de modo que a insatisfação sentida confirma para ele a necessidade da defesa perversa: confirma que no fundo ele é uma pessoa ruim ou fadada ao fracasso, que precisa a todo custo esconder de si e dos outros esse núcleo mau, e que portanto necessário apoiar-se nos outros para sobreviver, tanto psiquicamente quanto materialmente.






publicado por araretamaumamulher às 05:20 | link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De Ivis Duarte a 26 de Março de 2010 às 04:58
"Anseios de Mulher" e "Quando perco o Sono", clique http://ivisduarteacarta.com , leiam, reflitam.


Comentar post

mais sobre mim
Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
22

23
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

Característicos da violên...

As situações de violência...

Fatores que contribuem pa...

As (in) visíveis seqüelas...

As consequencias das agre...

Nunca vou compreender ist...

eu tenho uma dor dentro d...

Ainda me lembro quando es...

Ser mãe é padecer no para...

Mulheres, cuidando da cas...

arquivos

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

tags

a desvalorização da mulher

a morte de um filho

a mulher e acultura da desvalorização

agressão da mulher

agressão psicologica

agressor

amor

anorexia

aprendizado

baixa auto estima

baixa auto estima origem da dor.

baixa auto-estima

beleza

bulimia

circulo vicioso.

como agir em caso de violência

comotratar a violência

comportamento machista

consentimento silencioso.

criança ferida

cristianismo e o preconceito ao feminino

crueldade na familia

culpa

denuncia

depressão

desejo sexual

deus

dia da mulher

direitos humanos

direitos humanos para a mulher vitima.

dor

dor humilhação

educação

educação de filhos

emoções

envelhecer

falta de amor

familia

familia desestruturada.

feminismo

filho

gordura

humilhação

infância

infancia de dor

inveja

lar

lei maria da penha

luto

machismo

mãe

manipulação.

máscara

medo

medos

menopausa

mentira

mídia

mídia especializada

mitos verdades

morte

morte de um filho

morte prematura

mulher

mulheres

mulheres violentadas.

oração

orgulho

patriarcado

perda

perda de um filho

perdão

perversão

preconceito

rede social

relacionamentos

sagrado

silencio

silêncio

sociedade

sociedade machista

solidão

sonhos

suicidio

velhice

verdade

vergonha

violência

violencia

violência aceita

violência contra a mulher

violência da mulher

violencia da mulher

violência doméstica

violência emocional

violencia emocional

violência psicologica

violência sexual

vitima

vitimas de violencia.

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds