Sexta-feira, 16 de Outubro de 2009
Alienação Parental.
O que é a Alienação parental?
Acontece quando um dos genitores (pai ou mãe) tenta, de forma abusiva, afastar o (s) filho(s) do relacionamento com o outro genitor.
Ou seja, a Alienação parental acontece quando um dos genitores tenta, de varias formas, destruir a relação da criança com o outro.
Essa situação pode ocasionar na criança a “Síndrome da Alienação Parental” que surge do apego excessivo e exclusivo com relação a um dos genitores e do afastamento total do outro. Sendo do ponto de vista médico, uma forma de abuso emocional contra a criança.
Nos Estados Unidos é punida com a perda da guarda e a perda do direito de visitas por parte do genitor responsável pela alienação. No Brasil não existe legislação especifica.
Mas deveria, não existe a menor duvida quanto a isso. Já que em casos de agressão contra a mulher é o mais natural de acontecer.
O agressor, que normalmente não tem o menor sentimento e, portanto não existe empatia pelos sentimentos alheios faz exatamente isso a Alienação Parental.
Que atitudes configuram á Alienação Parental:
-Denegrir a imagem da pessoa do outro genitor: Meu ex-marido dedicou a vida dele para fazer isso com os meus filhos. Eu jamais consegui ter a confiança dos meus filhos, porque ele sempre tinha uma coisinha para dizer contra mim. Meu erro ficar calada. Não revidar. Não o cometo mais.
-Organizar atividades ara o dia de visitas, de modo a tornar a visita desinteressante ou mesmo inibi-la.
-Não comunicar ao outro genitor fatos importantes relacionados à vida dos filhos (rendimentos escolar, consultas medicas, doenças, etc.) Logo depois que fugi com meus três filhos, fiquei numa situação financeira muito precária, o que não é de se espantar. Então meu ex marido pegou meus dois filhos menores para morar com ele e sua nova esposa, (houve varias novas esposas, e todas fugiram...), Eles resolveram passar uma semana viajando curtindo uma pescaria com o casal de amigos deles, e deixaram meus filhos sozinhos em uma chácara sem ninguém para cuidar deles. Ele deixou uma criança de cinco anos e outra de dois anos sozinhos por uma semana, e não me comunicou nada. Duas semanas depois quando fui ver meus filhos o caçula estava com uma queimadura no rostinho de terceiro grau, bem perto dos olhos, perguntei o que tinha acontecido, e o maior me respondeu que eles haviam ficado sozinhos, colocaram fogo em uma mangueira de água e estavam rodando a mangueira que pegou no rosto do irmão. Esse monstro, não levou o meu filho (um bebe ainda) em um medico, não deu a menor importância ao fato, não me comunicou que as crianças estavam sozinhas, não me comunicou o fato que ocorreu na ausência dele. O que falar sobre isso? Alguém assim tem outro adjetivo que não o de monstro?
-Tomar decisões importantes sobre os filhos sem previa consulta ao outro genitor, como escolha ou mudança de escola, de pediatra, etc.
-Viajar e deixar a criança com terceiros sem comunicar o outro genitor. Meus filhos não ficaram com terceiros eles ficaram sozinhos é bem diferente, é monstruoso.
-Apresentar [novo (a) companheiro] (a) á criança como sendo seu novo pai ou mãe. Toda nova esposa do meu ex marido era apresentada assim aos meus filhos, todas foram mães deles segundo o pai, menos eu com toda a certeza. A crueldade de um psicopata é sem limites creia.
-Fazer comentários inconvenientes sobre presentes ou roupas compradas pelo outro genitor ou mesmo sobre o gênero do lazer que ele oferece ao filho
- Criticar a competência profissional e a situação financeira do outro genitor. Creio que isso era o que meus filhos mais ouviam do pai, ele falava a todos sem os menores constrangimentos que eu não tinha competência, que eu não tinha controle financeiro, ele só esquecia-se de dizer o valor da mesada que ele mandava para eu criar três filhos dele, pequenos, ele só esquecia-se de dizer que eu o sustentei por doze anos, que ele me explorou financeira e intelectualmente por doze anos.
-Obrigar a criança a optar entre a mãe ou o pai, ameaçando-a das conseqüências, caso a escolha recaia sobre o outro genitor. Foi isso o que aconteceu sempre com os meus filhos, o pai os ameaçava e os pressionava, para que eles ficassem com ele.
-Transmitir seu desagrado diante do contentamento externado pela criança em estar com o outro genitor.
-Controlar excessivamente os horários de visita.
-[Recorda com insistência], motivos ou fatos que levem a criança a ficar aborrecida com o outro genitor. Isso é o que sempre aconteceu também, meus defeitos eram maximizados para os meus filhos e minhas qualidades eram inexistentes.
-Transformar a criança em espiã da vida do outro genitor. E por isso também eu passo até hoje. O desejo de controle que o psicopata tem que ter de toda a situação não o deixa relaxar, só que hoje para mim, não faz mais a menor diferença.
-Emitir falsas imputações de abuso sexual, uso de drogas e álcool.
- dar o dobro ou triplo de presentes que a criança recebe do outro genitor.
-Quebrar, esconder ou cuidar mal dos presentes que o outro genitor dá a criança: Eu me lembro do dia que meu filho do meio (o que faleceu) fez dois aninhos e eu dei a ele um velotrol de plástico azul escuro, dois dias depois o pai dele pegou o brinquedo e bateu na parede até quebrar. Que dor! Depois de alguns dias ele foi lá e fez uma arrumação para que a criança pudesse andar naquilo, mais toda vez que eu olhava para o ex brinquedo eu me lembrava da violência gratuita com meu filhinho...
-Não autorizar a criança a levar para casa do outro genitor os brinquedos e as roupas que mais gosta.
--Ignorar em encontros casuais quando junto com a criança, a presença do outro genitor, levando a criança a também fazer o mesmo.
-Não permitir que a criança esteja com o outro genitor em ocasiões outras que não aquelas prévia e expressamente estipuladas.
A dor de um a pessoas que está sendo agredida, humilhada, massacrada, mistura a dor de ver seus filhos sendo usados, manipulados, massacrados e agredidos violentamente para que seja feita a vontade de um monstro, é uma coisa que não dá simplesmente para ser colocada em papel. E desesperador, e terrível, e as conseqüências são extremamente graves, no meu caso a morte do meu filho é a conseqüência mais visível, mais existe outras tantas, que vão sendo expostas e vividas no meu dia a dia que fica difícil dizer que tudo isso terá um final um dia, por quantas gerações um monstro desses ainda terá influencia? Ele influenciou a vida dos meus filhos e dos outros filhos dele da mesma forma. Sim porque ele sempre deixou um rastro de mulheres e filhos por onde passou, e todos sofreram o mesmo tipo de agressão, de humilhação, e principalmente no caso das crianças de coação. E assim, ou você faz de conta que eu sou um ótimo pai, uma pessoa maravilhosa ou quando entrarmos no carro você verá as conseqüências... A ponto de meus filhos preferirem andar a pé, de ônibus, do que andar com o pai, porque a “estratégia” dele é pegar a pessoa sozinha com ele, assim não existe provas do que ele fez ou disse..
Um monstro desses capaz de dizer em casa para nós que a morte do meu filho não foi nada.
Nós ainda estamos aqui, e sofremos muito foi algo arrasador a morte do “Vi” para nós.


Que a luz e apaz esteja com você
Fátima Jacinto
Uma Mulher.


publicado por araretamaumamulher às 06:34 | link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
22

23
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

Característicos da violên...

As situações de violência...

Fatores que contribuem pa...

As (in) visíveis seqüelas...

As consequencias das agre...

Nunca vou compreender ist...

eu tenho uma dor dentro d...

Ainda me lembro quando es...

Ser mãe é padecer no para...

Mulheres, cuidando da cas...

arquivos

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

tags

a desvalorização da mulher

a morte de um filho

a mulher e acultura da desvalorização

agressão da mulher

agressão psicologica

agressor

amor

anorexia

aprendizado

baixa auto estima

baixa auto estima origem da dor.

baixa auto-estima

beleza

bulimia

circulo vicioso.

como agir em caso de violência

comotratar a violência

comportamento machista

consentimento silencioso.

criança ferida

cristianismo e o preconceito ao feminino

crueldade na familia

culpa

denuncia

depressão

desejo sexual

deus

dia da mulher

direitos humanos

direitos humanos para a mulher vitima.

dor

dor humilhação

educação

educação de filhos

emoções

envelhecer

falta de amor

familia

familia desestruturada.

feminismo

filho

gordura

humilhação

infância

infancia de dor

inveja

lar

lei maria da penha

luto

machismo

mãe

manipulação.

máscara

medo

medos

menopausa

mentira

mídia

mídia especializada

mitos verdades

morte

morte de um filho

morte prematura

mulher

mulheres

mulheres violentadas.

oração

orgulho

patriarcado

perda

perda de um filho

perdão

perversão

preconceito

rede social

relacionamentos

sagrado

silencio

silêncio

sociedade

sociedade machista

solidão

sonhos

suicidio

velhice

verdade

vergonha

violência

violencia

violência aceita

violência contra a mulher

violência da mulher

violencia da mulher

violência doméstica

violência emocional

violencia emocional

violência psicologica

violência sexual

vitima

vitimas de violencia.

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds