Quarta-feira, 9 de Dezembro de 2009
Muitas de nós amamos tão profundamente os nossos filhos, a nossa família, a harmonia que esquecemos de amar a nós mesmas.
Conseguimos nos colocar em ultimo lugar, para que nossos filhos possam sonhar e viver o que de mais sublime existe.
Escolhemos viver, por puro amor, como figurantes de nossas próprias vidas, porque não concebemos a vida depois de concebermos.
Colocamos toda a nossa energia, todo o nosso trabalho, todos os nossos esforços, em ultimo lugar: fora da lista, fora da existência, fora da participação, fora do palco, fora da coxia das peças que nós mesmas escrevemos.
Muitas de PURA FALTA DE OPÇÃO somos obrigadas a acordar, para A-COR-DAR á VIDA.
Muitas de nós por amor aos nossos filhos não conseguimos ver os defeitos deles... Infelizmente para muitas de nós, inclusive eu, o resultado foi DESASTROSO.
Muitas de nós oferecemos todas as frutas, todos os alimentos, todos os mimos, carinhos, prioridades, aos nossos filhos, maridos ex maridos, porque sentimos que assim deve ser, para que todos vivam as belezas e as alegrias que nós mesmas acabamos por não viver.
Muitas de nós preparamos a festa e nos contentamos em apreciar a alegria dos que dela participam, enquanto que timidamente olhamos através das frestas, FELIZES por estarmos proporcionando toda aquela alegria a quem amamos.
Distribuímos as melhores frutas para os nossos familiares, e quando muito comemos as frutas que já estão estragadas, ou parcialmente estragadas. Silenciosamente cortamos as partes podres e comemos as partes que são aproveitáveis.
Muitas de nós trabalhamos a vida inteira, dentro e fora de casa, mas nunca jogamos, ou manipulamos, ou nos pintamos e desenhamos com vitimas, mártires, para que nossos filhos NUNCA percebam o quanto nos custa manter toda a estrutura familiar. Promovemos cada pequena bobagem que nossos maridos ou pais de nossos filhos, para que eles possam sempre se encantar de um PAPAI HEROI.
Muitas de nós não percebem que esse PAPAI HEROI É UMA INVENÇÃO DAS NOSSAS CABEÇAS, talvez por querermos – de maneira inconsciente – manter os nossos próprios pais como eles eram durante as nossas infâncias.
Muitas de nós acreditam TANTO em nossos filhos, maridos, ex maridos, que quando percebemos estamos absolutamente sozinhas, e não há ninguém que sonhe os nossos sonhos conosco.
Muitas de nós quando começamos a despertar para a vida, depois de termos criado os nossos filhos, depois de vê-los bem mais velhos do que nós quando os concebemos. Vemos-nos sob o fogo cruzado, e as munições que trocam entre si, àqueles que querem que permaneçamos como sombra, são como facadas – cruéis – translúcidas de cristais de amor que se tornaram sólidos, afiados, e certeiras...
Muitas de nós tais como as flores que são regadas á conta gotas vão murchando, e empurradas para o abismo de palavras e atitudes inesperadamente cruéis e afiadas, vamos murchando enquanto pensamos que realmente somos o NADA que tentam nos IMPOR.
MULHERES E MÃES eu digo: Vamos nos responsabilizar sim, mas não caiamos nos jogos de culpa baratos e cheios de palavras recobertas de amor egoísta! Não somos o que estão tentando nos impor.
NOSSAS VIDAS FORAM LINDAS, NÓS CRIAMOS COISAS LINDAS, NOS COLOCAMOS EM ULTIMO LUGAR E PRECISAMOS APRENDER ALGUMAS POUCAS COISAS...:
Precisamos aprender a não nos submetermos ás crueldades do amor, por que o AMOR É O QUE REGE A VIDA!
Precisamos aprender a corrermos atrás dos nossos sonhos, e apesar de doer muito, e mais fácil do que pensamos.
Chegou o momento de retomarmos parte de TODO AMOR QUE NÓS DEDICAMOS AOS OUTROS e voltarmos esse mesmo amor para nós.
Vamos sonhar os nossos próprios sonhos e dar vida a eles, como um dia demos vida aos nossos filhos. E as imagens do pai herói que criamos para eles.
Não estamos sós. HÁ VARIAS MULHERES DA TERRA QUE ESTÃO A VIVFER COMO NÓS VIVEMOS.
Se para recebermos amor nós tivermos que sermos alguém que já não somos, então esse amor recebido JAMAIS vai nos preencher. Porque é um amor vazado, e um amor para alguém que não mais é nós, mas que já fomos um dia enquanto fazíamos TODO o possível para que nossos filhos crescessem seguros e felizes.
Não se sintam só, vocês não estão sós, HÁ VÁRIAS MULHERES DA TERRA QUE ESTÃO A VIVER O MESMO QUE VOCÊS!
Essa é a historia de tantas de nós mulheres.
Vamos dedicar um terço do amor que dedicamos aos outros, para nós mesmas. Vamos ter um terço do orgulho que tivemos dos nossos filhos e familiares por nós mesmas. Criemos asas e voemos, porque só assim seremos vistas e amadas, pelo que realmente somos.
Para muitas de nós, inclusive para mim, os últimos anos têm sido especialmente difíceis, mas que estes momentos sirvam para que nós possamos fazer ainda mais e sermos melhores do que já fomos até hoje.
Nós não erramos apenas nos esquecemos de colocar a nossa assinatura nos quadros que pintamos na vida. Por isso podemos enfrentar tudo o que está nos acontecendo e tudo o que está por vir.
Tudo na vida muda, só não muda a essência do nosso amor, embora ele possa e deva mudar na forma, e só assim poderemos crescer só assim os nossos filhos poderam crescerem e se tornarem melhores pessoas, melhores mães do que nós fomos.


publicado por araretamaumamulher às 06:49 | link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
22

23
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

Característicos da violên...

As situações de violência...

Fatores que contribuem pa...

As (in) visíveis seqüelas...

As consequencias das agre...

Nunca vou compreender ist...

eu tenho uma dor dentro d...

Ainda me lembro quando es...

Ser mãe é padecer no para...

Mulheres, cuidando da cas...

arquivos

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

tags

a desvalorização da mulher

a morte de um filho

a mulher e acultura da desvalorização

agressão da mulher

agressão psicologica

agressor

amor

anorexia

aprendizado

baixa auto estima

baixa auto estima origem da dor.

baixa auto-estima

beleza

bulimia

circulo vicioso.

como agir em caso de violência

comotratar a violência

comportamento machista

consentimento silencioso.

criança ferida

cristianismo e o preconceito ao feminino

crueldade na familia

culpa

denuncia

depressão

desejo sexual

deus

dia da mulher

direitos humanos

direitos humanos para a mulher vitima.

dor

dor humilhação

educação

educação de filhos

emoções

envelhecer

falta de amor

familia

familia desestruturada.

feminismo

filho

gordura

humilhação

infância

infancia de dor

inveja

lar

lei maria da penha

luto

machismo

mãe

manipulação.

máscara

medo

medos

menopausa

mentira

mídia

mídia especializada

mitos verdades

morte

morte de um filho

morte prematura

mulher

mulheres

mulheres violentadas.

oração

orgulho

patriarcado

perda

perda de um filho

perdão

perversão

preconceito

rede social

relacionamentos

sagrado

silencio

silêncio

sociedade

sociedade machista

solidão

sonhos

suicidio

velhice

verdade

vergonha

violência

violencia

violência aceita

violência contra a mulher

violência da mulher

violencia da mulher

violência doméstica

violência emocional

violencia emocional

violência psicologica

violência sexual

vitima

vitimas de violencia.

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds