Sexta-feira, 18 de Setembro de 2009
Se a ordem natural pede que a corrente flua livre e gere prazer, por que nós nos prendemos tão fortemente á negatividade e á dor? Por que é tão difícil abandonar a dor? Por que tantas pessoas sofrem? A maioria de nós fica chocada com a idéia de que prefere a dor ao prazer. Mas existem várias razões para nos agarrarmos as nossas dores. Criamos a dor brecando o fluxo de sentimentos positivos e negativos. Sentimentos de amor e expansividade podem ser bloqueados, assim como sentimentos de rancor, medo ou desejo de vingança. Uma parte de nós quer o prazer, mas outra parte não quer saber desses bons sentimentos. A parte que inibe os sentimentos de prazer é inconsciente. Mas exprimimos de varias maneiras essa convicção: “Não quero ajuda. Não quero sentir prazer. Quero ficar com a minha dor” Preferimos a dor, porque é segura e conhecida. Há segurança nela. É a dor que nos da um senso de limite.
Rebelamos-nos contra a dor, mas continuamos sentindo que a merecemos. È o preço que pagamos por outras coisas, por “benefícios” que vêm da dor. Agarramos-nos a dor para fazer com que os outros cuidem delas, para atrair simpatia e atenção. Ou então para punir o outro. Sentimos um prazer secreto em nos vingar do outro, por aquilo que nos falta. Na maioria das vezes não percebemos esse desejo, mas não tenha duvidas que ele esteja lá.
Nossas defesas são construídas em torno de uma fixação negativa, que engendra inveja, ódio e competitividade. O núcleo dessas atitudes é naturalmente a culpa. Para a maioria de nós experimentarmos prazer total é amedrontador. Porque estamos ajustados a experiências negativas e a excitação negativa. Enquanto existir motivos impuros, trapaça, defesas, culpa e malicia, o princípio do prazer será rejeitado por nós. Além disso, desde a infância é implantado em nós a idéia de que o prazer em si é insuportável. O nosso problema peculiar não é a nossa falta de vontade de experimentar privações e sofrimentos, é que sentimos que não merecemos o prazer.
O remédio para a dor, então é sentir prazer. Mas isso é difícil. Mesmo que o prazer esteja ali, não nos sentimos merecedores de nos beneficiar dele.
Todos nós temos inúmeras oportunidades de sucesso e de dar passos importantes na vida. Mas até que o não-merecimento seja resolvido não pode haver movimento. Podemos arrumar muitas justificativas e racionalizações para o fracasso, mas o problema está na falta de predisposição para sentir prazer, na fixação na dor./
Além de todas as outras dores, todos nós sofremos em maior ou menor grau da dor da culpa. Essa dor é o nosso não reconhecimento da verdade. A verdade é que nós fizemos alguma coisa que não achamos ser a certa para nós. Essa culpa é real. Mas geralmente, exageramos e ainda somamos a muitas outras culpas presentes.
Muitas vezes usamos nossas culpas antiga como defesa contra as nossas atuais culpas. “Meu pai me rejeitou... Minha mãe era horrível, e assim vai...” Enquanto isso tomamos decisões que nos agridem. Evitamos encarar as atitudes destrutivas e fazer restituições. Por que nos agarramos à culpa antiga? O estamos encobrindo?
Uma das dores mais profundas é a da injustiça


publicado por araretamaumamulher às 11:53 | link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
22

23
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

Característicos da violên...

As situações de violência...

Fatores que contribuem pa...

As (in) visíveis seqüelas...

As consequencias das agre...

Nunca vou compreender ist...

eu tenho uma dor dentro d...

Ainda me lembro quando es...

Ser mãe é padecer no para...

Mulheres, cuidando da cas...

arquivos

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

tags

a desvalorização da mulher

a morte de um filho

a mulher e acultura da desvalorização

agressão da mulher

agressão psicologica

agressor

amor

anorexia

aprendizado

baixa auto estima

baixa auto estima origem da dor.

baixa auto-estima

beleza

bulimia

circulo vicioso.

como agir em caso de violência

comotratar a violência

comportamento machista

consentimento silencioso.

criança ferida

cristianismo e o preconceito ao feminino

crueldade na familia

culpa

denuncia

depressão

desejo sexual

deus

dia da mulher

direitos humanos

direitos humanos para a mulher vitima.

dor

dor humilhação

educação

educação de filhos

emoções

envelhecer

falta de amor

familia

familia desestruturada.

feminismo

filho

gordura

humilhação

infância

infancia de dor

inveja

lar

lei maria da penha

luto

machismo

mãe

manipulação.

máscara

medo

medos

menopausa

mentira

mídia

mídia especializada

mitos verdades

morte

morte de um filho

morte prematura

mulher

mulheres

mulheres violentadas.

oração

orgulho

patriarcado

perda

perda de um filho

perdão

perversão

preconceito

rede social

relacionamentos

sagrado

silencio

silêncio

sociedade

sociedade machista

solidão

sonhos

suicidio

velhice

verdade

vergonha

violência

violencia

violência aceita

violência contra a mulher

violência da mulher

violencia da mulher

violência doméstica

violência emocional

violencia emocional

violência psicologica

violência sexual

vitima

vitimas de violencia.

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds