Quinta-feira, 11 de Março de 2010












Por que as mulheres agredidas vão à Delegacia para registrar queixa de agressão sofrida pelo marido/companheiro e, dias depois, regressam para retirá-la, assinando o termo de renúncia? Por que as mulheres perdoam seus algozes? Promotores/as e juízes/as estimam que, em mais da metade dos processos abertos, as mulheres capitularam... Uma autoridade da área da Justiça chegou a declarar haver dois tipos de mulheres — “as que gostam de apanhar” e as que “têm dignidade e acabam morrendo”. Essas questões nos remetem a vários questionamentos. Chamamos atenção para alguns, entre eles.

Transparece, nos depoimentos apresentados, uma interpretação de que... a culpa é da mulher. Há uma responsabilização das mulheres que são agredidas. Elas não só retiram a queixa, como acabam por perdoar seus agressores. Capitulam, têm medo deles, sentem-se constrangidas em denunciá-los. Sofrem em silêncio e caladas, temem não conseguir dinheiro para viverem sós e/ou com seus filhos. Enfim, elas, além de pobres coitadas, são... as culpadas!

Por que razões as mulheres retirariam as queixas? Por que razões perdoam seus agressores? Por que razões “gostam de apanhar”? Será que alguém já as indagou sobre isso? Vivemos em uma cultura que até ousou expressar sua misoginia, por meio de um porta-voz bem conhecido no país, que declarava: “Nem todas as mulheres gostam de apanhar. Só as normais.” Não foram poucos os senhores bem postos na vida que se divertiram em rodas de bares, relembrando essa “mensagem”, a um só tempo produzida por nossa cultura da dominação masculina e alimentadora desse caldo cultural.

São muitas as pressões, ameaças e medos que sofre uma mulher para não denunciar. Quando o faz, que garantia lhe é oferecida de que permanecerá viva? Que tipo de empoderamento, de fortalecimento lhe é oferecido para que mantenha a denúncia que lhe custou tanto fazer? Há sempre julgamentos morais e políticos relativos à violência vivida, como sendo falhas da mulher em seu “papel” ... de subordinada.

Que alternativas de segurança lhe são oferecidas, quando, muitas vezes, sua queixa nem mesmo é registrada? A mulher é apenas “aconselhada” a voltar para casa e “se entender” com o marido/companheiro agressor. E muitos registros acabam nem mesmo sendo considerados, pela precariedade das condições de trabalho, que não possibilitam a investigação por falta de tudo: pessoal, viaturas, tempo, equipamentos.

Por que o Judiciário se empenha em promover a "conciliação" entre o casal? Tal empenho não se vincularia a uma percepção familista de que, a qualquer preço, a família tem de ser mantida, e não a percepção do imperativo ético e político da defesa da integridade física e psíquica da mulher, para garantir-lhe o direito humano fundamental à vida e à dignidade? Qual o significado da conciliação para além da des-responsabilização do poder público, devolvendo a responsabilização da situação de violência à esfera do privado, de devolvê-la ao casal para que busque soluções?

Outra “solução” proposta é de colocar as mulheres durante seis meses em um processo "terapêutico", o que pode significar colocá-las em um processo de convencimento de que sua melhor alternativa é ... perdoar.

As mulheres são agredidas, muitas correm risco de morte, são obrigadas a abandonar sua casa, filhos, emprego, parentes, pertences, até mesmo a fugir ou desaparecer. Passada a fase do pagamento de cesta básica, os agressores permanecem soltos. E, quando presos, não há indicação de que serão mantidos, por tempo razoável, na prisão.

Ser homem ou ser mulher é, muito mais do que uma determinação biológica, uma questão ligada a modelos culturais impostos e idealizados, por um dado grupo social. Falamos sobre um mundo onde o valor e o poder das pessoas são desiguais, não apenas da perspectiva de gênero, mas a outras perspectivas a ela associadas: raça/etnia, classe, geracional, regionalidade etc. A essa realidade, que se desdobra no âmbito das instituições, o Judiciário não está ileso.

Aceitar a conciliação seria a opção proposta para as mulheres. A pergunta permanece: "conciliar", na área de família, é possível? Quem vem pagando com a vida pela "conciliação" e pelo perdão? No quadro de nossa realidade, em que mulheres continuam a ser cotidianamente executadas, apostar na conciliação no âmbito da família pode contribuir para construirmos alguma alternativa defensável para as mulheres, para além da disjuntiva colocada pela Promotora do Tribunal do Júri do DF: supostamente “gostar de apanhar” ou preservar a dignidade e acabar morrendo?

---
Lourdes Bandeira e Ana Liési Thurler são professoras do Departamento de Sociologia da UnB (Universidade de Brasília) e integrantes do Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre a Mulher-NEPeM/UnB.


publicado por araretamaumamulher às 05:46 | link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De Madresgate a 11 de Março de 2010 às 06:37
Ola
Bela postagem
Sabemos que as leis existentes neste país muitas vezes não funcionam
Para tanto uma delas foi criada em defesa total das mulheres
Muitas vezes as mulheres que são vítimas de agrassões principalmente dentro do lar, sentem medo de represálias por parte dos agressores, se possuirem filhos a coisa se complica, pois tambem temem pela integridade dos mesmos.
Muitas mulheres que denunciam agressões muitas vezes assinam o termo de renuncia na esperança de que "o susto" terá o resultado esperado mas na verdade não avaliam que isto é o pior remédio.
Devemos sim nos conscientizar que por mais séria que seja uma discussão chegar "as vias de fato" jamais será a solução dos problemas.
Pensar, avaliar e conversar,ainda continua sendo a melhor solução
Parabens pela postagem
Um forte abraço
Mad


Comentar post

mais sobre mim
Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
22

23
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

Característicos da violên...

As situações de violência...

Fatores que contribuem pa...

As (in) visíveis seqüelas...

As consequencias das agre...

Nunca vou compreender ist...

eu tenho uma dor dentro d...

Ainda me lembro quando es...

Ser mãe é padecer no para...

Mulheres, cuidando da cas...

arquivos

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

tags

a desvalorização da mulher

a morte de um filho

a mulher e acultura da desvalorização

agressão da mulher

agressão psicologica

agressor

amor

anorexia

aprendizado

baixa auto estima

baixa auto estima origem da dor.

baixa auto-estima

beleza

bulimia

circulo vicioso.

como agir em caso de violência

comotratar a violência

comportamento machista

consentimento silencioso.

criança ferida

cristianismo e o preconceito ao feminino

crueldade na familia

culpa

denuncia

depressão

desejo sexual

deus

dia da mulher

direitos humanos

direitos humanos para a mulher vitima.

dor

dor humilhação

educação

educação de filhos

emoções

envelhecer

falta de amor

familia

familia desestruturada.

feminismo

filho

gordura

humilhação

infância

infancia de dor

inveja

lar

lei maria da penha

luto

machismo

mãe

manipulação.

máscara

medo

medos

menopausa

mentira

mídia

mídia especializada

mitos verdades

morte

morte de um filho

morte prematura

mulher

mulheres

mulheres violentadas.

oração

orgulho

patriarcado

perda

perda de um filho

perdão

perversão

preconceito

rede social

relacionamentos

sagrado

silencio

silêncio

sociedade

sociedade machista

solidão

sonhos

suicidio

velhice

verdade

vergonha

violência

violencia

violência aceita

violência contra a mulher

violência da mulher

violencia da mulher

violência doméstica

violência emocional

violencia emocional

violência psicologica

violência sexual

vitima

vitimas de violencia.

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds