Domingo, 23 de Agosto de 2009
Nossa experiência de vida é um reflexo exato da pessoa que somos por dentro. Sempre que a vida mostrar algum aspecto nosso restritivo e insatisfatório, precisamos ir mais fundo na exploração do território interior, para que nos seja revelado onde ficou bloqueada a possibilidade de uma vivência mais rica. Cada vez que ampliamos o território interior, a vida exterior também se amplia. Nosso melhor mestre espiritual é sempre a vida que está bem à nossa frente; as mais importantes lições espirituais sempre assumem a forma de experiências de vida.
Para ampliar a vida, precisamos estar dispostos a entrar nas nossas áreas interiores que desconhecemos.
O trabalho espiritual é a disciplina pela qual as fronteiras do eu são lenta e constantemente ampliadas, até integrar na consciência mais e mais quem somos. É preciso ter dedicação e coragem para ampliar a idéia que fazemos de nós mesmos. Para crescermos, temos que estar dispostos a eliminar as defesas contra a dor enterrada.
Todos os nossos anseios, é no final das contas o mesmo - vivermos uma relação mais amorosa conosco mesmos, com os outros, com o ambiente e com Deus. Podemos nos envergonhar desse anseio porque ele nos expõe à sensação da criança que tem seus desejos contrariados ou suprimidos. Podemos temer esse anseio porque ele contém a possibilidade da decepção. No entanto, somente quando despertamos e respeitamos nossos anseios é que teremos a motivação para executar o trabalho interior que leva à expansão da vida.
A maioria dos nossos anseios podem ser expressos como desejo de amar ( o eu, o outro, o trabalho, a natureza ou Deus). O primeiro passo é aprender a amar e a ser amado. Dessa forma, assentamos o alicerce para satisfazer todos os anseios. Aprendemos a nos identificar com uma parte nossa que podemos amar, e depois orientar esse amor para outros aspectos nossos que não parecem ser dignos de amor. Aprender a amar e aceitar tudo o que há em nós é a ferramenta primordial e permanente da cura.
A vontade de amar e ser amado leva à expansão pessoal e à expansão da vida. Mas é preciso também estar disposto a pagar o preço: honestidade total e capacidade de se enxergar, de discernir as restrições que impomos a nós mesmos. Aprendemos a ver quando odiamos em vez de amar ( a nós e aos outros), quando nos limitamos por medo ou orgulho, quando acreditamos que somos vitimas inocentes e os outros responsáveis pela nossa infelicidade.
Perpetuamos a não-consciência quando nos empenhamos em aceitar apenas o lado positivo da vida humana e negar ou evitar a outra metade. Se enfocarmos apenas as boas qualidades e ignorarmos os problemas que, como a nossa vida revela, devem existir em nós, ou se esperarmos a satisfação sem efetivamente encarar tudo o que bloqueia essa satisfação, vamos viver em perpétua ilusão, e nosso crescimento espiritual continuará incompleto.
Se queremos amor e poder, prazer e expansão criativa, precisamos também estar dispostos a sentir medo e impotência, dor e contração, pois a tentativa de excluir esses estados "maus" restringe de tal forma a capacidade de experimentar a vida que os "bons" também ficam fora de alcance. Quando cortamos a percepção de um lado de nós mesmos, também cortamos a percepção do lado oposto. Quando nos abrimos, abrimo-nos para tudo.
Talvez você fica ai pensando que isso tudo são só teoria, não, não é, eu tenho colocado tudo o que escrevo aqui em minha vida.
Se eu dissesse que está sendo facil, eu com certeza estaria mentindo, as vezes é tão vergonhoso no começo de uma descoberta que chega a dar enjôo, outras eu penso que não é a realidade quando tenho que encarar uma responsabilidade que andei a muito querendo fugir. Não resta nenhuma duvida de que é muito mais facil, e sem trabalho, colocarmos a culpa nos outros, no governo, no transito, na violência e assim por diante, já que nossas listas de culpados é infinita...
Mas quando decidimos levar realmente a serio a faxina interna, as coisas começam a ficar mais leves e vale a pena .
Amanha tem mais meus amigos
Fiquem na Luz, e no Amor.
Maria de Fátima uma Mulher...


publicado por araretamaumamulher às 15:05 | link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De Edvalter a 3 de Dezembro de 2009 às 04:53
SENSACIONAL, UM DOS MELHORES POSTS QUE EU VI ESTE ANO. PARABÉNS DE MONTÃO FÁTIMA!!


Comentar post

mais sobre mim
Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
22

23
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

Característicos da violên...

As situações de violência...

Fatores que contribuem pa...

As (in) visíveis seqüelas...

As consequencias das agre...

Nunca vou compreender ist...

eu tenho uma dor dentro d...

Ainda me lembro quando es...

Ser mãe é padecer no para...

Mulheres, cuidando da cas...

arquivos

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

tags

a desvalorização da mulher

a morte de um filho

a mulher e acultura da desvalorização

agressão da mulher

agressão psicologica

agressor

amor

anorexia

aprendizado

baixa auto estima

baixa auto estima origem da dor.

baixa auto-estima

beleza

bulimia

circulo vicioso.

como agir em caso de violência

comotratar a violência

comportamento machista

consentimento silencioso.

criança ferida

cristianismo e o preconceito ao feminino

crueldade na familia

culpa

denuncia

depressão

desejo sexual

deus

dia da mulher

direitos humanos

direitos humanos para a mulher vitima.

dor

dor humilhação

educação

educação de filhos

emoções

envelhecer

falta de amor

familia

familia desestruturada.

feminismo

filho

gordura

humilhação

infância

infancia de dor

inveja

lar

lei maria da penha

luto

machismo

mãe

manipulação.

máscara

medo

medos

menopausa

mentira

mídia

mídia especializada

mitos verdades

morte

morte de um filho

morte prematura

mulher

mulheres

mulheres violentadas.

oração

orgulho

patriarcado

perda

perda de um filho

perdão

perversão

preconceito

rede social

relacionamentos

sagrado

silencio

silêncio

sociedade

sociedade machista

solidão

sonhos

suicidio

velhice

verdade

vergonha

violência

violencia

violência aceita

violência contra a mulher

violência da mulher

violencia da mulher

violência doméstica

violência emocional

violencia emocional

violência psicologica

violência sexual

vitima

vitimas de violencia.

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds