Quarta-feira, 7 de Outubro de 2009
É óbvio que livrar-e dos bloqueios interiores é o segredo que falta para você atrair tudo o que quiser. Como saber se você precisa se livrar de alguma coisa agora? Se você esta fazendo essa pergunta, provavelmente é porque precisa. Mas apenas responda com sinceridade:
-Você tem um problema recorrente na sua vida?
-Você já tomou uma decisão na noite de Ano-Novo e deixou de cumpri-la?
-Você está se sentindo frustrado com métodos de auto-ajuda que não deram certo?
-Você está com dificuldades de agir para conseguir o que deseja?
-Você tem a impressão de que alguma coisa está sabotando o seu sucesso?
Se for totalmente sincero, saberá que existe pelo menos uma esfera em sua vida que parece praticamente impossível de ser corrigida.
Pode ser a esfera da perda de peso. Você já experimentou dietas e se exercitou, mas o seu peso não diminuiu ou você voltou a engordar rapidamente. Está se sentindo um amaldiçoado.
Pode ser os relacionamentos. Você já tentou namorar, experimentou sites de encontros on-line, quem sabe já teve relacionamentos ou talvez até tenha se casado, mas o amor não perdura. Sempre acontece alguma coisa que acaba com o romance.
Ou então as finanças. Você teve vários empregos, mas nenhum deles o deixou realizado. Você não consegue encontrar a sua vocação, por mais orientadores vocacionais que procure ou currículos que redija. Você tem a impressão de que o mundo não está ajudando a realizar seus sonhos. Você está sempre sem dinheiro, e luta para ficar em dia com as contas.
Pode ser a saúde. Talvez você sofra de uma dor de cabeça constante, ou de algo mais complicado, como câncer ou problemas musculares. Quem sabe uma alergia, uma tosse persistente ou asma. Independentemente do que seja você tem a impressão de que não consegue se curar porque parece destinado a ter essa doença.
Por trás de todos esses problemas de obstrução está o sentimento de ser uma vitima. Você acha que o problema é seu, mas a causa está em outro lugar. A culpa é do seu chefe, dos vizinhos, do presidente, do governo dos terroristas, da poluição, do aquecimento global, do seu DNA, da Receita Federal ou até mesmo de Deus.
Conheci muito bem esse sentimento de obstrução na minha vida quando estava casada, e era espancada, humilhada, traída, e explorada diariamente. Eu achava que o mundo estava querendo me pegar. Estava com raiva de todos – dos meus pais, do sistema, da sociedade, da minha família, e até de Deus. Eu não merecia a vida que levava. Lutar para sair de onde estava, foi uma experiência angustiante, frustrante, por muitas vezes. Certamente nada disso era culpa minha. Eu era uma ótima esposa, ótima mãe, fazia tudo direitinho. Eu merecia outra vida.
Eu tinha um problema recorrente e não achava que eu fosse a causa. Eu culpava as circunstâncias externas. É o que quase todos nós fazemos quando chegamos a um muro e não conseguimos contorná-lo. O problema não somos nós mesmos; é o muro. Podemos ser bem-sucedidos em todas as outras esferas da vida, mas quando nos aproximamos dessa área especifica, estamos presos e não conseguimos enxergar uma saída.
Quando eu era espancada, diariamente, precisei examinar as minhas convicções. Compreendi que a principal razão pela qual eu era infeliz e enfrentava tantas humilhações era o fato de que eu esperava que as coisas fossem assim. Percebi que eu estava moldando a minha vida pela de pessoas que sofreram muito, e que na minha infância eu achava isso lindo, sofrer! Para mim era tão romântico.
As suas crenças conscientes são o que você pensa que acredita. As suas crenças subconscientes e convicções mais profundas são o que você realmente acredita.
Vou explicar como isso funciona na pratica:
Durante nossos primeiros anos, instintivamente rechaçamos o lado negativo das inevitáveis dualidades da vida. Recuamos diante das dores e decepções da infância, e concluímos que determinadas partes de nós mesmos e/ou determinados tipos de sentimentos são inaceitáveis. Dessa forma, negamos partes da nossa experiência, limitando assim a idéia de quem somos e do que podemos manejar.
Depois de sofrer algumas decepções, tentamos afastar a dor futura, fazendo determinadas generalizações sobre a vida, extraindo conclusões baseadas na nossa experiência particular e em nossas interações com nossos pais.
Todos nós, inconscientemente impomos ao mundo exterior nossas idéias limitadas a respeito da maneira como achamos que a vida funciona e como esperamos ser tratados, em grande parte com base na maneira como fomos tratados pelos nossos pais na primeira infância. Na maioria das vezes, nossas expectativas são confirmadas pela experiência, pois a realidade criada interiormente é muito persuasiva. Tendemos a ignorar o que não se enquadra, e somos atraídos por tudo aquilo que se enquadra nas nossas pré-concepções. Além disso, nossas reações e comportamentos defensivos, criados para respaldar as expectativas, normalmente garantem o resultado esperado. Assim, nossa realidade limitada se torna auto-reforçadora, um circulo vicioso. Esperamos uma determinada resposta negativa da vida e nos comportamos de acordo com essa expectativa. Quando a resposta esperada se concretiza, ela reforça a nossa conclusão errada inicial.
Como nossa autolimitação foi criada por nós, normalmente como reação á dor e as limitações infantis impostas pelos pais e pela família, o processo de resgate de todos os nossos eus precisa passar pela volta á infância. Ao sentir as mágoas da infância, fortalecemos a capacidade adulta de acolher os opostos.
Amanhã tem mais.
Fiquem na luz e na paz.
Fátima Jacinto
Uma Mulher.


publicado por araretamaumamulher às 13:48 | link do post | comentar | favorito

2 comentários:
De Ebrael Shaddai a 7 de Outubro de 2009 às 19:29
Vc diz: "Compreendi que a principal razão pela qual eu era infeliz e enfrentava tantas humilhações era o fato de que eu esperava que as coisas fossem assim."

Interessante, vc disse uma coisa que que acho fundamental. Crer e acreditar, é esperar por algo, que algo seja e continue assim, ainda que não tenha que ser.

Acredito que só depois que vc começou a esperar algo diferente da vida é que vc se moveu para conseguir mudar evirar a mesa. Me corrija se eu estiver equivocado,

Bjs Fátima!!


De Helena a 8 de Outubro de 2009 às 15:44
Querida Fátima, só hoje vim conhecer o seu blog!
Fiquei encantada!
Você se expressa muito bem e acredito que assim possa estar ajudando a muitas mulheres
que passam ou já passaram por estas situações de tamanha violência.
Que Deus conserve em você esta "garra" e que lhe conceda muita "LUZ" para continuar nesta
luta!
Maravilhoso trabalho! Parabéns de verdade!
Grace Helena Hoyer


Comentar post

mais sobre mim
Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
22

23
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

Característicos da violên...

As situações de violência...

Fatores que contribuem pa...

As (in) visíveis seqüelas...

As consequencias das agre...

Nunca vou compreender ist...

eu tenho uma dor dentro d...

Ainda me lembro quando es...

Ser mãe é padecer no para...

Mulheres, cuidando da cas...

arquivos

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

tags

a desvalorização da mulher

a morte de um filho

a mulher e acultura da desvalorização

agressão da mulher

agressão psicologica

agressor

amor

anorexia

aprendizado

baixa auto estima

baixa auto estima origem da dor.

baixa auto-estima

beleza

bulimia

circulo vicioso.

como agir em caso de violência

comotratar a violência

comportamento machista

consentimento silencioso.

criança ferida

cristianismo e o preconceito ao feminino

crueldade na familia

culpa

denuncia

depressão

desejo sexual

deus

dia da mulher

direitos humanos

direitos humanos para a mulher vitima.

dor

dor humilhação

educação

educação de filhos

emoções

envelhecer

falta de amor

familia

familia desestruturada.

feminismo

filho

gordura

humilhação

infância

infancia de dor

inveja

lar

lei maria da penha

luto

machismo

mãe

manipulação.

máscara

medo

medos

menopausa

mentira

mídia

mídia especializada

mitos verdades

morte

morte de um filho

morte prematura

mulher

mulheres

mulheres violentadas.

oração

orgulho

patriarcado

perda

perda de um filho

perdão

perversão

preconceito

rede social

relacionamentos

sagrado

silencio

silêncio

sociedade

sociedade machista

solidão

sonhos

suicidio

velhice

verdade

vergonha

violência

violencia

violência aceita

violência contra a mulher

violência da mulher

violencia da mulher

violência doméstica

violência emocional

violencia emocional

violência psicologica

violência sexual

vitima

vitimas de violencia.

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds