Sexta-feira, 15 de Janeiro de 2010
“As estratégias de comunicação em geral, vinculadas ao mercado e à necessidade de vender produtos, geraram uma relação muito direta entre consumo, prazer e poder. E a mulher aparece aí quase que como o próprio produto de consumo. É assim que se vende cerveja, é assim que se vende carro, é assim que se vendem máquinas de lavar roupa - por motivos óbvios -, se vende qualquer coisa a partir da figura feminina, especialmente a partir do corpo da mulher”. A avaliação é da deputada federal Maria do Rosário (PT-RS), relatora da Comissão Parlamentar de Inquérito Mista da Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes.
“O que acontece no caso da menina que imita a dança do tchan e um determinado comportamento de um artista que representa esse símbolo de sexualidade, é que ela está jogando de forma simbólica, está brincando com isso, e pensando sobre ela adulta. Mas os adultos que a vêem produzindo isso dessa forma constroem sobre ela circunstâncias de poder, de sexualização precoce e de violência”, exemplifica.
Em primeiro lugar, é preciso dizer que se trata de um tema que foi construído na agenda pública nos últimos dez anos, mas que o Brasil, somente do ano passado para cá, assumiu como uma responsabilidade pública o enfrentamento direto do problema. Estamos, portanto, trabalhando com um tema que vive um novo momento de reconhecimento, dentro de uma agenda política, mas que, nem por isso, deixa de ser um tema privado, um tema velado, um tema que ainda é tabu, porque a sexualidade ainda é tratada assim na maior parte dos segmentos, porque trabalha com o tema da sexualidade associado ao tema da violência interna à família e com a permissividade da violência sexual contra crianças e adolescentes.
Por outro lado, também trabalha com um aspecto muito poderoso que é a formação de uma cultura de violência sobre as mulheres, sobre as crianças, algo que, em geral, fica impune, que não é considerado como algo relevante ao ponto de se mobilizar de verdade os setores públicos para o enfrentamento. Então, esse tema interage majoritariamente com o tema das mulheres e o das crianças, desprovidas de qualquer poder. Frente a esse contexto, eu avalio que conseguimos fazer uma importante mobilização da sociedade brasileira, dar ao tema uma dimensão nacional e romper estereótipos importantes no sentido de compormos uma idéia de que se trata de um fenômeno presente em todas as regiões do país, com as suas diferenças regionais e seus determinantes culturais e econômicos, mas presente em todo o Brasil. Essas são vitórias que conseguimos alcançar.
Ou seja, a exploração sexual se dá por diferentes vias, diferentes formas. As rodovias passam a ter importância neste tráfico e passam a ter importância também no acobertamento dessa atuação criminosa, porque a criança explorada, a adolescente explorada - menina em geral, mas também meninos -, levadas de um lugar a outro pela rodovias, são praticamente invisíveis aos olhos das autoridades. A internet também passou a ocupar um papel relevante. E mesmo ao falarmos de turismo sexual, nós podemos falar do Nordeste, sim, mas, quando observamos essa região, temos que falar do Sertão nordestino, do interior nordestino, bem como do Norte do país, do turismo de caráter ecológico, do Pantanal mato-grossense, das grandes capitais litorâneas. Ou seja, mesmo no caso do turismo, precisamos falar de todos esses segmentos.
Então, a forma como ele é dimensionado no Norte e no Nordeste é diferente do modo como é tratado no Sul. Isso, em termos de pesquisa social, acaba não permitindo nenhuma quantificação e essa é uma fragilidade que nós temos.
Outro estereótipo que se rompeu, e que esteve muito presente nestes dez anos, é a idéia do empobrecimento, da situação econômica, como único fator determinante do engajamento na exploração sexual. É um fator determinante, com certeza, mas não é o único. Existem fatores relacionados a gênero, à cultura, à expectativa, aos papéis sexuais diferenciados, à exposição das mulheres na mídia. Todos esses fatores concorrem muito fortemente. Além disso, existem os padrões de consumo exigidos da juventude e impossíveis de serem sustentados na prática. Tanto é que em Fortaleza, por exemplo, encontramos, ao lado de uma menina completamente empobrecida, sendo explorada sexualmente para ter acesso a crack, outras de padrão social médio que, ao serem entrevistadas foram acompanhadas de suas próprias mães - a quem também sustentam com a situação de exploração sexual em que vivem - e nos disseram que o que elas buscam é passar na frente de uma vitrine e poder comprar o que está ali, o seu desejo de consumo.
Elas se apresentam, normalmente, como sendo casadas com algum estrangeiro, namoradas de algum estrangeiro, que paga mensalmente uma soma para que elas fiquem a sua disposição, tanto em viagens para a Europa, quanto ficando aqui no Brasil a disposição deles. O que, em geral, não é cumprido por elas, porque elas mantém uma série de programas, mas todas com o mesmo nível social em hotéis de luxo das cidades de qualquer lugar do Brasil. Então, o crime aqui não é só o crime do submundo, é o crime do lucro, da transformação de corpos em mercadorias realmente, em todos os sentidos e para todos os consumidores, com todos os preços imagináveis, desde ‘mercadorias’ de baixíssimo valor até aquelas do mais alto valor. Nos dois casos, assistimos à transformação do corpo humano em nada mais do que um objeto.
De fato, não sei se o que houve, em termos de comunicação, foi planejado, ou se os setores que decidem sobre ela avaliaram alguma vez os efeitos dessa coisificação da mulher. Mas o fato é que ela existe. As estratégias de comunicação em geral, vinculadas ao mercado e à necessidade de vender produtos, geraram uma relação muito direta entre consumo, prazer e poder. E a mulher aparecendo aí quase que como o próprio produto de consumo. É assim que se vende cerveja, é assim que se vende carro, é assim que se vende máquinas de lavar roupa - por motivos óbvios -, se vende qualquer coisa a partir da figura feminina, especialmente a partir do corpo da mulher. Sem falar da fragmentação do próprio corpo feminino que vem ocorrendo já há muito tempo. Desde grupos musicais até programas de televisão, os meios de comunicação de massa em geral construíram uma idéia da mulher a partir de partes do seu corpo. É um bum-bum assim, é um seio desse ou daquele jeito, etc., ou seja, absolutamente fragmentando cérebro e corpo. De uma certa forma nós cultuamos a velha idéia do ‘é bonita e burra’.
Acho que isso tem um reflexo muito forte sobre as crianças e sobre as adolescentes. É da natureza infantil a imitação, o jogo simbólico, a projeção. A criança pensa, aprende e se comunica a partir da imitação do mundo, não obviamente se restringindo a isso, pois ela é criadora em tudo aquilo que produz por imitação. Mas esse jogo simbólico, essa brincadeira, esse teatro que a criança produz é por onde ela simboliza a vida e por onde ela se insere e é aceita, e ela busca permanentemente ser aceita. Quando essa figura de mulher, explorada na mídia, é preponderante, a tendência das meninas, especialmente, é repetir isso. E é por isso que as meninas querem o tamanco de salto alto da Tiazinha ou o biquíni da Carla Perez. Algum tempo atrás, as meninas ainda imitavam suas próprias mães, ou suas professoras. E os meninos imitavam seus pais, ou seus professores. Com as mulheres isso é muito forte. O que acontece no caso da menina que imita a dança do tchan e um determinado comportamento de um artista que representa esse símbolo de sexualidade, é que ela está jogando de forma simbólica, está brincando com isso, e pensando sobre ela adulta. Mas os adultos que a vêem produzindo isso dessa forma constroem sobre ela circunstâncias de poder, de sexualização precoce e de violência.
Então, há uma dimensão psicológica sendo estruturada, não só naquela criança, na abordagem da sua sexualidade, mas há uma dimensão psicológica construída na sociedade inteira para tratar de uma criança que brinca de jogos sexuais. O que eu gostaria de dizer para as pessoas é que esses jogos sexuais não pertencem àquela criança, mas ao adulto que inventou tal dança ou tal roupa. No entanto, nós entramos no universo feminino, nós entramos no universo infantil com esses símbolos, tanto é que, em geral, as mulheres que ocupam os espaços da grande mídia de comunicação de massa, com essa mensagem, normalmente estão vinculadas a programas infantis. Isso vende, isso ocupa o espaço.
A primeira delas diz respeito à mídia, com recomendações sobre a sua atuação. E a segunda relacionada ao poder Judiciário, a partir da avaliação de sentenças escandalosamente preconceituosas que encontramos no tema da exploração sexual de crianças.
A mudança de título já indica que o conceito do Código Penal passa a ser trabalhado do ponto de vista do crime contra a pessoa e não mais contra os costumes, superando a idéia de que a sociedade é que foi ofendida quando alguém é vítima de um estupro, de uma violação sexual. Isso é um absurdo que deve ser corrigido. Um dos exemplos que tivemos foi na cidade de Goiás, antigo Goiás Velho (no estado de Goiás), onde o prefeito Boadyr Veloso (PP) foi condenado pelo Tribunal de Justiça pelo estupro de sete crianças e adolescentes e acabou sendo liberado. Quando a pena estava para ser efetivada e ele seria preso, ele próprio através de sua advogada organizou o casamento dessas sete meninas com pessoas daquela comunidade. Pagou os casamentos, que aconteceram em dois dias seguidos. A advogada de defesa foi testemunha de todos os casamentos, a mesma advogada do prefeito. Por conta desses casamentos e de um artigo do atual Código Penal que diz que, se a vítima se casar com o próprio violador ou com um terceiro qualquer e não mantiver, em um prazo de 60 dias, a denúncia perante o Judiciário, cessa a responsabilidade penal. Por conta disso, o prefeito livrou-se de sua responsabilidade e, em 2003, a pena foi suspensa. E, agora, ele é candidato à reeleição.
Então, esse é um dispositivo do Código Penal. O crime era realmente contra os costumes, segundo esse dispositivo, e ainda é. A honra dessas meninas foi lavada no momento em que elas se casaram. Foram purificadas pelo casamento. Isso é absolutamente preconceituoso e esse é um dispositivo que nós estamos simplesmente suprimindo do Código Penal. Há muitas outras distorções. Por exemplo, do ponto de vista da vítima. Hoje, se houver relação sexual, a menina é considerada vítima de estupro, enquanto que, no caso do menino, é atentado violento ao pudor. Estupro é somente quando há conjunção carnal completa, que só é reconhecida no caso de sexo vaginal. Nós unificamos esses dois tipos penais. Meninos e meninas, se violados sexualmente, serão considerados vítimas de estupro, não sendo necessária conjunção carnal completa para se configurar o estupro. Não é necessário o sexo vaginal. Portanto, aquilo que se chamava atentado violento ao pudor passa a ser estupro, contra o menino, como ocorre no caso do sexo anal.
Outra coisa. O Código Penal atual determina pena de 6 a 10 anos. Nós mantivemos a pena de 6 a 10 anos de reclusão para crime de estupro, mas ampliamos a pena nos casos de existência de lesão corporal grave, agravamos no caso de envolvimento de parentes ou quem tenha a guarda da criança, e assim por diante. Então, dependendo do caso, a pena vai aumentando. Se é um pai, aumenta; se é um padrasto, aumenta; se é alguém que tinha que cuidar da criança e a viola sexualmente, a pena aumenta. No caso de menores de 14 anos, os juízes, ao longo dos últimos anos, começaram a retirar o princípio da presunção da violência. O juiz avaliava se houve ou não a presunção da violência e alguns começaram a dizer que adolescentes de 14 anos são ‘muito grandinhos’, negando que existisse violência. Essa é outra coisa que queremos mudar.
. E demandam uma mudança cultural, uma mudança política, um tipo de comunicação não violenta, que respeite a sexualidade das crianças, e a adoção de políticas públicas que incluem escolas e postos de saúde, entre outros serviços. O relatório procura apresentar propostas, considerando as políticas que já vêm sendo tomadas pelos governos. Por exemplo, o programa de Saúde da Família pode naturalmente observar as relações familiares do ponto de vista da sexualidade, uma vez que há um vínculo entre a violência sexual no ambiente familiar e aquela que existe na sociedade. As crianças que estão nas ruas passaram por situações de violência, em geral nas suas próprias casas.
O nosso relatório é bem concreto. Acho que, daqui em diante, é trabalhar para que a sociedade permaneça mobilizada. Se a sociedade brasileira estiver mobilizada, ela consegue avançar também neste terreno. Se isso se perder, mais uma vez como um tema secundário, de fato, vamos concluir que fizemos um bom trabalho, mas que não correspondeu à confiança que as crianças depositaram em nós, quando nos contaram as suas histórias de vida.


publicado por araretamaumamulher às 05:10 | link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De JORNALISMO ANTENADO a 15 de Janeiro de 2010 às 13:16
Nossa excelente matéria . Realmente é muito complicado e discutível a erotização feminina através das campanhas publicitárias e programas nas tvs. Esse comportamento claro mexe com a criação dos adolescentes e crianças que se espelham sim em seus ídolos. Casos com esse do prefeito são recorrentes infelizmente, a maioria encontra uma brcha em nosso sistema judiciário para sair sem punição. È revoltante saber isso.
Excelente post, não conehcia ainda o blogger passei a segui-lo, faça uma visita ao meu também, ontem emsmo postei uma matéria sobre Carreira x filhos . Acredito que achará interessante.
Abraço
Márcia Canêdo


Comentar post

mais sobre mim
Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
22

23
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

Característicos da violên...

As situações de violência...

Fatores que contribuem pa...

As (in) visíveis seqüelas...

As consequencias das agre...

Nunca vou compreender ist...

eu tenho uma dor dentro d...

Ainda me lembro quando es...

Ser mãe é padecer no para...

Mulheres, cuidando da cas...

arquivos

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

tags

a desvalorização da mulher

a morte de um filho

a mulher e acultura da desvalorização

agressão da mulher

agressão psicologica

agressor

amor

anorexia

aprendizado

baixa auto estima

baixa auto estima origem da dor.

baixa auto-estima

beleza

bulimia

circulo vicioso.

como agir em caso de violência

comotratar a violência

comportamento machista

consentimento silencioso.

criança ferida

cristianismo e o preconceito ao feminino

crueldade na familia

culpa

denuncia

depressão

desejo sexual

deus

dia da mulher

direitos humanos

direitos humanos para a mulher vitima.

dor

dor humilhação

educação

educação de filhos

emoções

envelhecer

falta de amor

familia

familia desestruturada.

feminismo

filho

gordura

humilhação

infância

infancia de dor

inveja

lar

lei maria da penha

luto

machismo

mãe

manipulação.

máscara

medo

medos

menopausa

mentira

mídia

mídia especializada

mitos verdades

morte

morte de um filho

morte prematura

mulher

mulheres

mulheres violentadas.

oração

orgulho

patriarcado

perda

perda de um filho

perdão

perversão

preconceito

rede social

relacionamentos

sagrado

silencio

silêncio

sociedade

sociedade machista

solidão

sonhos

suicidio

velhice

verdade

vergonha

violência

violencia

violência aceita

violência contra a mulher

violência da mulher

violencia da mulher

violência doméstica

violência emocional

violencia emocional

violência psicologica

violência sexual

vitima

vitimas de violencia.

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds