Domingo, 31 de Janeiro de 2010
Em depoimento pungente, a escritora portuguesa Rosa Leonor fala de sua causa pessoal. As pessoas em geral comentam com ela que sua causa é perdida e ultrapassada pois nosso mundo “civilizado” já alcançou os padrões de igualdade e liberdade. Mas a autora finca a voz e brada em nome das mulheres espancadas e violadas, traficadas e prostituídas, e sem identidade...
“Já ninguém sequer fala da minha causa com vergonha”, afirma, “ou, então, fala como se fosse uma anedota velha... uma coisa ridícula que todos querem esquecer, homens e mulheres. Especialmente as mulheres…”.
Em essência, Rosa Leonor nos conta que luta em nome do Ser Uno, o Espírito Santo, a Mãe Original, as águas matriciais, o Espírito de Luz... Focos que dizem de perto ao público do Absoluta, você sabe.

A minha causa
"A opressão sobre as mulheres ainda persiste, e por vezes são as próprias mulheres que tornam o mundo ainda mais difícil para as outras mulheres. Mas este fenômeno tende a desaparecer, à medida que essas mulheres opressoras conquistem a sua auto-estima. Do lado oposto a esta selva, nasce um dia novo e glorioso na terra, o dia em que as nossas filhas deixarão de ser julgadas pelas suas paixões ou postas de lado porque terão poder, força e amor."
in O VALOR DE UMA MULHER de MARIANNE WILLAMSON - 1993

A minha causa é uma causa milenar, a única causa que sempre foi posta fora de todas as causas e disfarçada de causa nenhuma... Passaram séculos, mudanças de regimes e ideologias, desde o escravagismo, feudalismo à democracia, mas nunca nenhum sistema pôs verdadeiramente em causa a causa das mulheres...
A minha causa é a causa perdida de que se riem hoje as pessoas “inteligentes”, pois me garantem que a minha causa não tem causa de ser por ser hoje em dia inútil e ultrapassada... e, que neste mundo “civilizado” e de consumo exacerbado, já não se justifica porque já atingimos todos os patamares de liberdade e igualdade... Já ninguém sequer fala da minha causa com vergonha ou, então, fala como se fosse uma anedota velha... uma coisa ridícula que todos querem esquecer, homens e mulheres. Especialmente as mulheres… É uma causa velha como o mundo, e até dela fazem a mais antiga profissão sem que ninguém tenha problemas de consciência pois é tão velha (e injusta) como o mundo, dizem...

Sim, a minha causa é a das Mulheres, de todas as mulheres. Das mulheres espancadas e violadas, das mulheres exploradas, traficadas e prostituídas e sem identidade! Não um feminismo serôdio, mas o Princípio Feminino que falta ao Mundo onde o Masculino é único e exacerbado em todas as sociedades e que serve, inclusivamente, à própria mulher masculinizada à força para vencer na vida; é o Feminino por excelência, o Arquétipo da Deusa, enterrada durante séculos de barbárie pela violência da espada, ou de armas mais sofisticadas, e que é preciso consciencializar (integrar) tanto por homens como por mulheres.
É o princípio não da igualdade, mas o do equilíbrio que pode superar o abismo da diferença que há entre os dois que se dividem e lutam, e cuja Consciência e Harmonia faz da Mulher e do Homem um ser único e íntegro. Talvez seja o Princípio da Androginia, ou do Ser Uno, o Espírito Santo, a Mãe Original, as águas matriciais, o Espírito de Luz, de que Platão falava antes desta História humana contada só a uma voz e que ele começou... A voz dos homens que dominam e exploram metade da Humanidade - as mulheres - desde o princípio da Barbárie, e que é a mesma que vivemos no século XXI...

Talvez a minha causa não se inclua em nenhuma “causa nossa” nem em nenhuma causa política... Porque não uso a linguagem machista, nem faço salamaleques aos donos e senhores da guerra da Mídia ou da Blogosfera... em que impera o mesmo poder, o falocrático...
Talvez a minha causa seja uma causa metafísica, imprópria para mentes modernas e mentes políticas tão "corretas" dos nossos dias que se dividem em grupos, partidos, e entre homem e mulher e dentro de si mesmos... E POR ISSO MESMO O MUNDO ESTÁ DIVIDIDO E EM GUERRA.
Um País - um governo - que se opõe à liberdade e consciência de uma mulher, que nega a capacidade de discernimento da Mulher-Mãe e a condena pelas suas leis, expondo-a aos seus juízes e padres, que a humilha e a prostitui, que a subjuga e desprestigia, que permite que sobre a mulher recaiam as situações mais degradantes e miseráveis, é um país condenado à sua queda, tal como o mundo inteiro entregue à violência masculina e à guerra. Aponta, assim, a falta do Princípio Feminino, ontológico, complementar do Princípio Masculino no mundo e, sobretudo, nos países onde a mulher é ainda quase escrava - são países fundamentalistas e fanáticos, miseráveis, tanto na África como no Iraque, no Afeganistão, na América ou na Europa...

Seja em nome de Jeová, seja de Alá... do senhor Maomé ou do senhor Cristo, são em todo o mundo as mulheres que em primeiro lugar são sempre sacrificadas!


Rosa Leonor Pedro
Escritora


publicado por araretamaumamulher às 15:03 | link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14
15

16
17
18
22

23
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

Característicos da violên...

As situações de violência...

Fatores que contribuem pa...

As (in) visíveis seqüelas...

As consequencias das agre...

Nunca vou compreender ist...

eu tenho uma dor dentro d...

Ainda me lembro quando es...

Ser mãe é padecer no para...

Mulheres, cuidando da cas...

arquivos

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

tags

a desvalorização da mulher

a morte de um filho

a mulher e acultura da desvalorização

agressão da mulher

agressão psicologica

agressor

amor

anorexia

aprendizado

baixa auto estima

baixa auto estima origem da dor.

baixa auto-estima

beleza

bulimia

circulo vicioso.

como agir em caso de violência

comotratar a violência

comportamento machista

consentimento silencioso.

criança ferida

cristianismo e o preconceito ao feminino

crueldade na familia

culpa

denuncia

depressão

desejo sexual

deus

dia da mulher

direitos humanos

direitos humanos para a mulher vitima.

dor

dor humilhação

educação

educação de filhos

emoções

envelhecer

falta de amor

familia

familia desestruturada.

feminismo

filho

gordura

humilhação

infância

infancia de dor

inveja

lar

lei maria da penha

luto

machismo

mãe

manipulação.

máscara

medo

medos

menopausa

mentira

mídia

mídia especializada

mitos verdades

morte

morte de um filho

morte prematura

mulher

mulheres

mulheres violentadas.

oração

orgulho

patriarcado

perda

perda de um filho

perdão

perversão

preconceito

rede social

relacionamentos

sagrado

silencio

silêncio

sociedade

sociedade machista

solidão

sonhos

suicidio

velhice

verdade

vergonha

violência

violencia

violência aceita

violência contra a mulher

violência da mulher

violencia da mulher

violência doméstica

violência emocional

violencia emocional

violência psicologica

violência sexual

vitima

vitimas de violencia.

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds